Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


28 Abril 2008

EXISTEM AUTORES EUROPEUS? Decerto que existem autores nascidos na Europa, ou num território que se convencionou assim designar, desde os antigos gregos por via da mitologia fenícia, mau-grado as variações geo-políticas da questão ao longo dos tempos. Decerto que existirão movimentos artísticos ou abordagens comuns a eras e línguas, tão-somente porque o substrato da literatura é a palavra escrita. Contudo, em primeira análise, e enquanto autor nascido num canto remoto dessa tal designação, entendo que a diferenciação do conjunto se esbate quando visto em pormenor, não passa de ilusão, alimento da nossa necessidade primitiva de formar padrões e criar modelos de representação do real, mesmo a partir de simples traços. Para os norte-americanos, é todavia um conceito que se vende. A Europa é mais permissiva sexualmente - prova de que não vivem num vilarejo do interior de qualquer dos países deste Ocidente; a Europa é mais arrojada e artisticamente complexa - uma percepção enganadora emanada pela Nouvelle Vague de outrora como prova de que não reconhecem o quanto estamos mais próximos das tendências de fora que das do passado; a Europa da multiplicidade de línguas - como se no território do outro lado do oceano a língua franca não estivesse em concorrência permanente com as falas imigrantes. E contudo, se existe uma forma como o conceito Europa faz sentido em termos americanos é na promoção comercial e no empreendorismo corporativo. Se para um europeu faria pouco sentido apresentarem-lhe autores e contos representantes dos cinquenta e dois estados da União, para um norte-americano a ideia desta Comunidade como manta de retalhos cujas cores convivem ainda em situação conflituosa é demasiado apelativa para que não fiquem fascinados por ideias como a recente Gala Europeia da Sociedade Norte-Americana de Autores de Ficção Científica, talvez um dos piores títulos possíveis para uma antologia que meramente pretende apresentar exemplos de contos da ficção científica de alguns países da Europa (entre os quais Portugal, com a honrosa participação do João Barreiros e tradução do Luís Rodrigues). A divisão geográfica é o mais fácil dos critérios de selecção, embora neste caso represente fortuitamente quase na totalidade uma divisão linguística, e aquele mais imediatamente defensável para os organizadores, os editores e os compradores. De fora, fica-se com a ideia de um território único e unido por uma identidade comum, que o conteúdo não revela. Nós, que vivemos na floresta, sabemos que, tal como no outro lado do mundo, há ficção científica e há fantasia, há autores consagrados e há autores novos - mas acima de tudo, não há autores europeus, porque não existe nem uma língua europeia nem uma política de tradução mandatória entre os Estados-Membros. O principal objectivo da antologia fica assim comprometido, e resta-lhe ser apreciada por aquilo que verdadeiramente é, uma antologia de bons contos com bons autores aos quais foi oferecida a oportunidade de serem publicados em inglês e lidos pelo mundo. A entrevista que se segue foi feita por Jeff VanderMeer ao casal de editores - James e Kathrine Morrow - que tiveram a presente ideia no decurso das suas visitas frequentes ao festival anual de fantástico em Nantes.

[Link Permanente

19 Abril 2008

COVER PORN. Um romance steampunk a sair no final do ano. Uma capa que inspira aventuras de odaliscas e cimitarras, palácios de sultões e tesouros enterrados, provações no deserto e a Legião Estrangeira. Não se esqueceram que continuamos a aguardar pelos vossos contos de Pulp Fiction?

[Link Permanente

30 Março 2008

ACEITEI O AMÁVEL CONVITE da Saída de Emergência para ser moderador dos fóruns da editora sobre os autores que publica. De entre eles, fiquei (para já) a cargo do espanhol Juan Miguel Aguilera, do qual se publicou recentemente A Loucura de Deus. Venham, não sejam acanhados.

[Link Permanente

29 Março 2008

A ARTE DE FAZER LIVROS DE PAPEL vista numa diferente perspectiva com este pequeno exercício de destreza manual e com direito a encadernação e sobrecapa. Via Bibliotecário de Babel.

[Link Permanente

AINDA HÁ BLOGS QUE MERECEM SER LIDOS, e pequenos universos ficcionais que convidam à descoberta inusitada, assim, num sábado de manhã, enquanto a vida reclama outros afazeres, pequenos prazeres inconfessáveis. Trata-se de um blog sobre imagens e confissões pessoais de Luc Santé, autor nascido na Bélgica e criado nos EUA, entre as quais se encontram pequenos tesouros como este:

«If you have spent an appreciable amount of your life acting in opposition to a prevailing set of mores, you will eventually come to appreciate the importance of those mores as a point of reference. Gradually, it will occur to you that in addition to opposing that way of life, you require its presence, in various subtle ways, and not simply for the friction. Around the time you realize this, however, you will also realize the fragility of your nemesis. You once had the luxury of thinking of it as a monolithic force; it stood for a political position, an ethics, an aesthetics - and now it will turn out to be made up entirely of people. You will only be fully aware of this when those people have died out.»

[Link Permanente

18 Março 2008

DOS NOVE MIL MILHÕES DE NOMES de Deus, à sentinela que nos aguardava na Lua, à fabulosa incursão por um artefacto ecológico que se adentrou no sistema solar (e onde tudo acontecia em trios), à viagem a uma colónia distante numa nave cujo propulsor refulgia mais do que o sol, aos perigos e atribulações da transmissão de matéria (e que teve honras de leitura na rádio quando foi publicada pela Argonauta), ao contacto com uma entidade extraterrestre responsável pela nossa evolução, a uma visita à terra por um embaixador de Titã, um dos grandes pilares da FC durante o século passado que, constantemente, demonstrou como a ciência se combinava com a ficção para criar obras de especulação mestra, acabou hoje de ser vítima do Tempo. Arthur C. Clarke is no more.

[Alguém reconhece os textos indicados? (Não se trata de um grande desafio para um bom conhecedor.)]

[Link Permanente

15 Março 2008

APRÉS NOUS, LA DÉSOLATION. Um minúsculo artigo sobre o mundo sem a nossa presença, com imagens que inspiram múltiplas ficções. É interessante notar que, ao equacionarmos a ausência de seres humanos sobre a Terra, estamos sempre a considerar que a espécie terá desaparecido por completo, o que faz sentido nas nossas impossibilidade actual de construimos um habitat permanente noutro local do universo, mas este truísmo não será necessariamente verdade para uma civilização avançada - a espécie pode simplesmente ter migrado para mais além, abandonando a Terra como se abandona o ninho ou a casa em que se nasceu, antes da morte do Sol ou simplesmente por que sim. Melhor do que este artigo é sem dúvida o trabalho de investigação de Alan Weisman em O Mundo Sem Nós (edições Estrela Polar). Lisboa continua a ser uma das capitais ignoradas nestas especulações; alguém estaria interessado em contribuir com um pequeno texto? Mesmo que seja um conto breve, como aquele de Frederick Brown que começa assim: «O último homem à face da Terra descansava sozinho no quarto. Alguém bateu à porta...» 

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto