Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


02 Novembro 2008

(Isto É Fabuloso) Terá o verdeiro espírito do Halloween sido corrompido pelas forças do comércio? Jornalistas do The Onion procuram descobrir a resposta.

[Link Permanente

29 Dias de Pulp. Ainda não é tarde de mais para participar na fenoménica, fantasiástica e fabulotosíssima antologia de originais de Pulp Fiction à Portuguesa, e fazer parte da galeria de contadores de histórias provenientes dos fundos mais recônditos da alma humana. Quem sabe que monstros o visitarão durante a noite?


(Capa de John Newton Howett)

O Mestre das Aranhas hesitou. Eram tantos! Pareciam homens vestidos em fatos de borracha com dois globos escuros de vidro colados no lugar dos olhos. Mas obviamente que não eram nada disso.Eram Larvas temíveis, de inteligência maligna, que tinham apenas um único propósito: escavar a terra até encontrar os ricos poços de petróleo deste país e devorá-los até à última gota.

- Venham até mim! - berrou, agitando o globo no ar. A luminiscência pútrida coloriu de verde as paredes mais próximas e fez brilhar as dezenas - não, centenas! - de pares de olhos que se remexiam lá ao fundo, na escuridão.

O som da sua voz ecoou pelo túnel dentro.

O acompanhante pigarreou.

- Desculpe-me interrompê-lo, mas creio que a sua atitude poderá não estar alinhada com a nossa estratégia inicial de nos escondermos em silêncio até eles passarem...

- As estratégias mudam conforme a feição dos ventos. Agora os ventos dizem para atacar.

- Devem ser ventos diferentes, pois os meus continuam a pensar que dois atacarem duzentos, e sem armas, num espaço pequeno sem saída, bem, é loucura.

O Mestre das Aranhas apontou para o lado, no qual uma teia tapava a passagem do tecto ao chão. Dúzias de aranhas percorriam-na que nem loucas, construindo-na com os fios que saiam dos minúsculos ventres.

- As minhas fiéis guerreiras prepararam a armadilha com que os vamos capturar! Estou a atraí-los para a perdição!

- Pois... uma teia de fino fio de seda contra matulões assassinos... estou de acordo, arame farpado para quê? Bazucas? Pfff!

- Tende fé, meu pequeno ajudante, a fé move o coração dos justos.

- Pela centésima vez, não sou o seu pequeno ajudante, sou o Delegado-Adjunto do Ministro do Interior. Só porque tenho vestido um fato tradicional da região e não sou branco e louro como você não significa que seja um pedinte. Estudei em Oxford!

O Mestre das Aranhas continuou a acenar e a berrar. Alguns dos gritos deviam ter chegado ao fundo do túnel, pois viam-se já alguns olhos fixos na direcção deles.

- Pare lá de agitar isto ao pé de nós! - o acompanhante arrancou-lhe o globo das mãos. - O facto de lhes chamarem de «Globos Verdes da Morte» não lhe diz nada?

Desenrolou o cachecol que trazia à volta do pescoço, uniu ambas as pontas no aperto da mão direita e depositou com cuidado o globo no interior da faixa assim formada. Ergueu-se, sopesando o cachecol com o objecto dependurado, em jeito de funda. Com a mão livre, rompeu a teia, abrindo caminho. Ao fundo, os Larvas já os tinham visto. Vinham a correr.

- O que pensa que está a fazer?! - berrou o Mestre das Aranhas.

- Isto só funciona se lhe dermos energia. Desde que não bata na parede, claro. Eu, se fosse a si, deitava-me... - começou a rodar sobre si mesmo. O cachecol acompanhou o movimento, erguendo o globo, que começou a brilhar mais fortemente. A câmara era pequena e por pouco o globo não embateu nas protuberâncias de rocha.

Começou a rodar mais depressa, a ganhar velocidade. O globo refulgia intensamente.

- Já! - e largou uma das pontas do cachecol.

O pequeno sol verde voou pelo ar.

Em direcção aos Larvas.

[Link Permanente

Mais Conselhos de Escrita (persistência! persistência & experiências intensamente pessoais) dadas por um cidadão idoso de calções e gravata com uma fixação peculiar por uma miudinha morta.

[Link Permanente

01 Novembro 2008

30 Dias de Pulp. Agora que se aproxima o prazo final para enviarem as vossas colaborações à antologia Pulp Fiction à Portuguesa (vide caixa à esquerda) que me encontro a organizar e que sairá em épocas de Feira do Livro no próximo ano, eis um último incentivo à vossa imaginação, na forma de uma capa evocativa dos tempos áureos do pulp por dia... e breves cenas de possíveis histórias por elas inspiradas (estejam à vontade para enviar as vossas; as melhores serão publicadas neste espaço).  


(Arte: Rafael DeSoto)

Lá vinha ele com mais um dos seus argumentos egoístas. Queria ir tomar uns copos com os amigos. Não ia para longe, diria ele, só para o morro sobranceiro à Embaixada da Sopércia, apenas tomar umas cervejolas. Tudo muito inocente. Como se ela se tivesse esquecido das outras vezes! Mas julgava que era parva? Que estava para aturar que lhe entrassem em casa novamente durante a noite, que lhe partissem as janelas e arrombassem as portas? Da última vez tinha estragado um bom conjunto de facas a deter os atacantes e ainda por cima ele tinha decidido enterrá-los no canteiro das buganvíleas. O trabalho que as flores lhe tinham dado, tudo para nada. Ele que não ousasse! Ia com os amiguinhos embebedar-se e atirar à distância contra o quartel dos terroristas. O estado em que as roupasvoltavam! Ele julgava que ela não tinha mais nada que fazer do que passar horas a esfregar as manchas de sangue e C4 das camisas?

Ele que não viesse com pedidos daqueles novamente. Ela tinha de ficar em casa, enquanto ele fazia explodir campos de treino e degolava bombistas-suicidas?

Porque é que ela não podia ir também?

Porque é que ele nunca a levava?

Bem, desta vez ele não ia conseguir nada. Tinha um contra-argumento bem forte entre mãos!

(É verdade que ter casado com o grande agente secreto Dick James tornava as coisas mais emocionantes na cama, mas por vezes ela ansiava que ele fosse apenas um humilde vendedor de utensílios para o lar...)

[Link Permanente

31 Outubro 2008

The Ultimate Geeky Dream. Uma visita ao processo de fabrico da Lego. Catedrais de peças encaixáveis com uma linha de produção de milhares de objectos por hora e totalmente robotizada, para satisfazer um mercado mundial caracterizado por uma crescente e fútil necessidade de construir modelos a pequena escala de pedaços do nosso mundo. Imaginem uma situação de um mercado galáctico, no qual biliões de crianças aguardam pelos conjuntos de montagem (possivelmente já auto-conscientes); para satisfazer este mercado, além de uma frota gigantesca de transportadores girando em milhares de órbitas lentas (partindo do pressuposto que a velocidade da luz é efectivamente inultrapassável), teríamos a canibalização de mundos inteiros recheados de silício e carbono para produzir os polímeros necessários para tamanha procura. Planetas da dimensão de Marte ou talvez de Júpiter (incluindo todo o manto atmosférico) destruídos para se converterem em peças Lego. Imaginem então que o mercado pertence a outras espécies, e que o nosso sistema solar – e principalmente, o nosso humilde-planetinha – se encontra no caminho da rota de abastecimento... Eis um drama com grandes possibilidades de natureza épica e crítica social. Pois quem precisa de verdadeiramente temer tiranos e impérios galácticos quando a grande besta capitalista olha na nossa direcção cheia de fome?

[Link Permanente

30 Outubro 2008

Num Registo Mais Sério e Tenebroso, Bruce Sterling pronuncia-se sobre a imprensa escrita em formato papel.

[Link Permanente

Mau, Muito Mau. Horrivelmente mau. Quase vale a pena inventar frases promocionais mais adequadas...
  • O Dia em Que a Terra Parou... e o seu Cérebro também
  • No espaço ninguém o pode ouvir gritar... «Devolvam-me o dinheiro do bilhete!»
  • Não é apenas o filme que não presta... as pipocas já têm dois dias
  • Podia ser pior... imagine que era você o cabeça de cartaz

Via SfSignal.

[Link Permanente

29 Outubro 2008

Acabou de Dar Entrada no Meu Covil, cortesia da Gailivro, um exemplar de um romance extraordinário, da autoria de um dos mais interessantes e inovadores criativos de Ficção Cientifica: Ian McDonald. Britânico radicado em Belfast, a escrita de McDonald representa possivelmente um dos mais perfeitos exemplos do que significa escrever-se neste género: a senda por lugares exóticos distantes do conforto urbano do mundo ocidental; a mistura conflituosa entre tradição e misticismo com modernidade e ciência/tecnologia; uma escrita exigente, flexível, que corresponda às necessidades da obra. Brasil é o seu romance mais recente e também o próximo livro da colecção 1001 Mundos; sobre ele falaremos com maior detalhe quando se encontrar nas bancas, já em inícios do próximo mês. Para já, fica a indicação de que foi um concorrente ao prémio Hugo deste ano e que foi galardoado com o British Science Fiction Association Award. E que caminha para se tornar num clássico de culto. Eis uma apreciação crítica de Adam Roberts, também ele autor de FC. E apresento a capa da edição estrangeira (ainda não tenho imagem da edição portuguesa, mas segue fielmente a original, ostentando o título BRASIL), uma inebriante ilustração de Martiniere recheada de neón. Para já encontra-se no topo da minha lista pessoal das melhores obras lidas este ano.

[Link Permanente

28 Outubro 2008

O Não-Book Trailer. Ou trailer de não-book. A verdadeira questão encontra-se na página 42, perdão, na resposta ao sentido da vida, do universo e tudo o resto. Mas qual é a pergunta?

(Via PP)

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto