Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


09 Maio 2009

233º C, que é como quem diz 451º F. Meryl Streep a ler um breve trecho da obra de Bradbury. Quem estiver mais interessado no original, pode ficar com a voz do próprio autor. Entre nós, teve uma recente edição pelas Publicações Europa-América. Via Bibliofilmes Festival.

[Link Permanente

05 Maio 2009

De Tempos Idos. 

João Barreiros, Luís Filipe Silva, Daniel Tércio, Maria de Menezes

[Link Permanente

Só Nos Lembramos Deles quando já cá não estão, e depois ficamos com saudades. A minha recente lembrança a respeito deste senhor, que de entre as boas memórias a preto-e-branco que deixa se mistura a sensação exasperada de ter assistido a algumas das animações mais entediantes de que há memória (alvo desta auto-paródia que reproduzo do blogue do Jorge), passou por ter descoberto em Praga um verdadeiro apreço pela obra de Znedek Miller e por esta singela toupeira, cujas façanhas o Vasco Granja diligentemente ia apresentando nas matinés infantis. Aqui e agora, em destaque efémero. Até sempre.

[Link Permanente

Vencer Um Prémio, em particular um que seja atribuído pelos pares, ou seja, pelos outros escritores, é normalmente uma faca de dois gumes, pois os melhores escritores não serão os melhores leitores, estando atentos a pormenores de técnica e gesticulação e coisas estranhas como inovações no encaixe das vozes narrativas e dos tempos de acção e a experimentalismos dos modos verbais e à capacidade de construir frases inteiras que percorram páginas infindas sem um único momento de pausa ou de respiração como se o pensamento fosse assim, ininterrupto, contínuo como o caudal de um rio, em que ideia gera ideia e tudo corre numa direcção única e contida, ao invés de ser disperso, múltiplo e baralhado como o eclodir de folhas numa rajada de vento, Poe enganou-nos bem com a sua demonstração de raciocínio dedutivo na literatura, ou terá sido Joyce, e o argumento em questão, de que este foi um desvio, estava em observar que os escritores irão premiar o engenho da escrita e não a escrita em si, muito ao contrário do leitor normal, que ao abrir a obra simplesmente quer que esta lhe aconteça. Felizmente há autores capazes de agradar aos dois tipos de público, e, como Ursula LeGuin, transceder os géneros (não no sentido de escrever para além destes, como se isso fosse sensato, mas de ser notada por quem não presta atenção aos nichos literários) e ser digna de menção no Guardian e na revista Ler (que poucas vezes surgirão em conjunto na mesma frase, desconfio), ao receber o sexto nébula pela obra infanto-juvenil Powers (ainda não editada em Portugal, mas ao contrário de tempos passados, em que o ritmo de publicação era lento, decerto que em breve a veremos nos nossos escaparates - se permanecerá o tempo suficiente para deixar marca, antes de ser engolida na voracidade das novidades, esse é um problema novo...)

Fica aqui uma pequena entrevista à autora a respeito da obra O Flagelo dos Céus (Publicações Europa-América), um romance sobre um rapaz que vai desfazendo os problemas da sua vida simplesmente por sonhar (inadvertidamente) com o seu desaparecimento. Também gostava...

[Link Permanente

01 Maio 2009

O Pai da FC em meia dúzia de palavras e duas capas...

[Link Permanente

27 Abril 2009

Em Obediência Ao Velho Ditame que os portugueses só olham para o passado, o 25 de Abril é um dos poucos acontecimentos históricos recentes que, inevitavelmente, serve de contraponto para situar histórias de encontros e desencontros, perspectivas pessoais, esperança e transformações, dada a natureza revolucionária. Torna-se assim triste ficar a saber, no decurso dos documentários apresentados durante o passado fim de semana nos nossos canais televisivos, que o principal instigador dos acontecimentos daquele dia tenha sido, após o inevitável cansaço da guerra, questões de pormenor relativas à carreira militar... Enfim, retira bastante da nobreza e do altruismo da ocasião, embora os actos e as decisões dos militares tomadas no decurso do movimento continuem a ser colocados no alto de um pedestral - e a decisão única, louvável, de evitar a todo o custo o derrame de sangue. Acontecimento romântico por excelência, traduziu-se numa capacidade de mobilização e motivação deste povo (inevitavelmente levado ao exagero em certas situações, antes de começar a acalmar face à crise que se lhe seguiu), a qual, efectivamente, apenas voltei a encontrar aquando do Euro 2004, que agora começa já a ser objecto de saudade... Mobilização e motivação que acaba por se traduzir em ficção intervencionista, ou pelo menos, repleta de insinuações (um romance nunca deveria causar menos impacto que uma arma carregada).

Não deixa de ser interessante notar que é um dos poucos momentos da nossa história que é alvo de análise (no formato romance) das possibilidades alternativas do seu desfecho. De acordo com o noticiário recente, Alvorada Desfeita de Diogo de Andrade é uma entrada recente para este cânone (ainda não me deparei com a obra nas livrarias para poder formular uma opinião), mas recordo-me de não ser a única - embora não tenha presente todas as obras, tenho encontrado, desde talvez o início deste século, versões publicadas em editoras menores sobre o que teria acontecido ao país se a Revolução dos Cravos não tivesse sido bem sucedida.

Esta necessidade de efabular um outro desfecho possível de um acontecimento histórico apenas encontra eco no regresso de D. Sebastião e no caso muito particular do exemplo falhado (enquanto exercício de história alternativa, como já tive ocasião de explicar) da conquista da capital aos mouros tal como retratado pela História do Cerco de Lisboa. Para uma terra repleta de passado e mergulhada de cabeça nos feitos de outrora como a nossa, é estranha a necessidade de respeito absoluto e reprodução total dos acontecimentos - sabendo nós que qualquer ficção histórica, por muito rigorosa que pretenda ser, acaba por tornar-se numa versão alternativa dos acontecimentos, nem que seja pela mera suposição que o desenlace e a participação dos intervenientes aconteceu em conformidade com os poucos registos existentes. Os nossos autores respeitam demasiado, subvertem pouco. Precisávamos de obras nas quais os Descobrimentos não tivessem ocorrido, ou tivessem sido ganhos por Castela. Nas quais o Estado Novo nunca se tivesse concretizado. Nas quais o exército napoleónico tivesse entrado e permanecido durante anos. Nas quais Isabel, A Católica tivesse preferido Afonso V ao aragonês D. Fernando e estabelecido uma diferente união ibérica. Na qual Colombo fosse financiado pelo reino portucalense e disseminado a nossa língua pela América do Norte. Ficções histórias baseadas em alternativas razoavelmente possíveis, sem motivações ulteriores e que sejam fruto de uma análise fundamentada - e não reflectindo possíveis fantasias utópicas inverosímeis, ou críticas políticas actuais disfarçadas de romance, como os casos de A.D. 2230 e Euronovela, para mencionar dois dos exemplos mais conhecidos.

Que Portugal teríamos, então? Que povo, que mentalidade? De que feitos nos poderíamos orgulhar? Que futuro se nos depararia? Não basta descrevermos a imagem reflectida no espelho para nos sentirmos caracterizados. Por vezes, há que considerar o que poderíamos ter sido, e perceber quanto de nós se deve à permanência e quanto se deve à circunstância.

[Link Permanente

22 Abril 2009

A Importância da Índia. É uma estranha coincidência ter tido oportunidade de viajar naquele frenético e vigoroso comboio que é Slumdog Milionaire de Danny Boyle, um virtuosismo de fotografia e montagem que consegue retratar uma parte da Índia, da sua cultura e complexidade, não obstante a abordagem leve e necessariamente ligeira, e segundo me foi dado a entender - não tendo tido ainda contacto com a obra de Vikas Swarup - , o ter passado ao lado das questões mais negras do livro. Aparte estes detalhes, e considerado como mero espectáculo cénico, é uma história de telenovela vestida com saris e punjabis, a apresentação de uma infância a todos os níveis miserável mas que não consegue derrubar o espírito positivo dos protagonistas. É contudo, uma telenovela para ocidentais, estranhos à terra - Bollywood não retratará assim o próprio país, será mais doce e elegíaco, na tradição confirmada de que preferimos conhecer as misérias alheias que as da própria casa. Será assim em territórios circum-atlânticos e mediterrânicos que encontraremos audiências presas num misto de fascínio e horror pela brutalidade da existência, mas, tal como os protagonistas, emergindo do encontro incómules - sem passar pela violência emocional de perder um dos entes queridos da narrativa, por exemplo, nem ter de defrontar-se visualmente com a presumível violação sexual da rapariga Latika -, o não deixa de ser uma batota em termos narrativos. Mas depois existe toda a energia, o contraponto da música, a vontade contagiante de viver, a colocação vertiginosa da câmara, que desde o início nos confessa que vai ser bondoso para com os personagens. Que distância o separa do Watchmen, pensei. Como se consegue realizar uma adaptação que faz sentido em termos cinematográficos e ser-se simultâneamente uma incursão verosímil num espaço cultural distinto do nosso - ao contrário do perfeito desastre que consistiu a presumível adaptação de uma das mais importantes obras da Banda Desenhada, não obstante o igual virtuosismo a nível de efeitos (incluindo cenas perfeitamente fascinantes na superfície de Marte). Embora não discordando completamente da opinião fundamentada do David, inclino-me mais para a do Lucius e pergunto-me, como este, «para quê que isto serviu». Que propósito serviu quando a obra original está disponível e é tão acessivel visualmente quanto o filme. Tentar ser-se fiel ao livro não contribuiu para tornar a peça numa obra cinematográfica, e neste caso creio que foi contraproducente. E depois aquelas ridículas escolhas (o voice-over de Rorscharch, o tema «Aleluia» durante a cena prolongada de sexo, ou se quisermos ser picuinhas, o completo desenquadramento da banda sonora). Os actores fizeram o melhor que podiam com o material. Mas perdeu-se em estrutura narrativa (a versão bd aproveitou a publicação em fascículos para o desenrolar da trama e dos personagens de uma forma que o filme nunca seria capaz, contribuindo para a experiência total literária) e na ideia de filme como um todo, autónomo enquanto objecto de cinema, enquanto viagem . Uma experiência falhada, na minha opinião.

Mas comecei, referindo-me à Índia e a coincidências - e não poderia haver maior que encontrar-me profundamente mergulhado no futuro deste país, conduzido pela mão segura de Ian McDonald, adentrando-me nas 600 páginas de River of Gods, a segunda escolha do Círculo de Leibowitz, cuja entrega crítica foi acordado entre os diversos membros participantes ser adiada para Maio (as críticas deveriam ter sido apresentadas ontem) dada a complexidade e extensão da obra. Espero que nos acompanhem igualmente neste clube de leitura.

[Link Permanente

16 Abril 2009

Talvez Não Seja A Mais Interessante entrevista com um dos grão-mestres da Ficção Científica, mas é um testemunho raro - e ao qual possivelmente jamais teríamos acesso se o nosso único divulgador audiovisual fosse a televisão. Isaac Asimov atravessava aqui o período final da sua carreira, no qual tentou unir, com sucesso questionável, a saga da Fundação (quase toda editada pela Livros do Brasil nos anos 90) com a dos investigadores R. Daneel Olivaw e Elijah Baley (apenas editados: As Cavernas de AçoAmeaça dos Robots, também pela Livros do Brasil, nos anos 60).

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto