Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


20 Agosto 2009

O Passado Vestido de Futuro. Passou discreta esta convocatória de escrita em território nacional por um motivo de ordem logística, que seria concentrar as participações em autores que, de uma forma ou outra, tenham contribuído ou estejam a contribuir para o debate sobre história alternativa e steampunk. Desta forma, poder-se-ia obter como resultado, não só ficções de peso, como contribuições para um debate literário sobre a relevância da revisão histórica em duas culturas com posturas tão distintas perante o futuro - no sentido em que o Brasil é um país novo com fogo na vista e Portugal, pelas evidências comprovadas, anda a sofrer de um problema de rugas e artrite emocional.

Passou discreta mas não devia ter passado - porque se esse debate é possível a nível do Brasil apenas com autores nomeados, por cá não existe massa crítica, e nem por vezes disponibilidade. Assim, e enquanto emissário da antologia deste lado do Atlântico, venho dar-lhe novo alento e divulgar por mais meios.

Segue o texto da convocatória, com o prazo alargado para os autores portugueses:

 

Antologia VAPORPUNK - Guidelines

A antologia Vaporpunk pretende reunir noveletas de história alternativa do subgênero steampunk escritas por autores brasileiros e portugueses, com fins de publicação em mercados de ambos os lados do Atlântico, em meios de comunicação convencionais e/ou e-book.

Por considerarmos que a dimensão ideal precípua para expressar um enredo de história alternativa é a noveleta e não o conto, como no caso da ficção científica, gostaríamos de fixar os limites dos trabalhos que aceitaremos entre 8.000 e 18.000 palavras. Isto não quer dizer, em absoluto, que trabalhos fora deste padrão serão sumariamente rejeitados. Se vossos escritos forem realmente bons, a qualidade decerto pesará, ainda que eles sejam menores ou maiores do que o limite proposto. No entanto, convém deixar claro que olharemos com mais simpatia trabalhos dentro do intervalo citado.

Analogamente, gostaríamos de receber trabalhos steampunks cujos enredos dissessem respeito, direta ou indiretamente, às culturas brasileira e/ou portuguesa, mostrando o impacto social do avanço tecnológico precoce na história dessa(s) cultura(s).

Vaporpunks, por assim dizer.

Não se trata de uma exigência estrita. Trabalhos steampunks que nada tenham a ver com o Brasil ou com Portugal serão apreciados com a atenção devida e também poderão ser eventualmente aceitos. Porém é honesto frisar aqui nossa predileção por vaporpunks que sejam lusófonos não só de corpo (ou seja, escritos por autores portugueses e brasileiros), como também em espírito (enredo, personagens, ambientação lusófonos).

O prazo proposto é 18 de Outubro de 2009, para autores de nacionalidade portuguesa.

O mais importante é que não nos prendemos à definição castiça de steampunk / vaporpunk.

Isto quer dizer que a ação de vossas noveletas não precisa necessariamente transcorrer na Londres Vitoriana da segunda metade do século XIX. Afinal, As Loucas Aventuras de James West é considerado steampunk e se passa no Velho Oeste, certo?

Da mesma forma, consideramos vaporpunk o romance de Paul McAuley, Pasquale’s Angel (publicado em português sob o título de A Invenção de Leonardo, Saída de Emergência, 2005), onde os inventos de Da Vinci são concretizados e a Revolução Industrial começa com três séculos de antecedência.

Não se faz necessário que o vapor seja a única tecnologia precoce presente em vossos enredos.

Em resumo, estamos interessados em enredos que mostrem o impacto social do emprego amplo e precoce de avanços tecnológicos nas culturas portuguesa e/ou brasileira. Tais enredos podem se constituir em passados alternativos ou em presentes alternativos.

Nos passados alternativos, a ação transcorre numa época bastante anterior ao presente, como por exemplo, na noveleta «Custer’s Last Jump», de Steven Utley & Howard Waldrop, em que o advento da aviação em meados do século XIX modifica a história da Guerra de Secessão e das Guerras Índias que se seguiram.

Nos presentes alternativos, a ação se passa mais ou menos em nossa época, só que numa linha histórica alternativa, modificada pelo advento precoce de uma tecnologia.

Quando principiamos a cogitar essas guidelines, pensamos em conceituar steampunk aqui.

Contudo, descobrimos uma definição castiça adequada na Wikipedia. Os conceitos ali expressos são mais restritivos do que aqueles que lhes estamos propondo, mas já dá para ter uma idéia geral. Portanto, usem e abusem: http://en.wikipedia.org/wiki/Steampunk

Se possível, dêem preferência ao verbete da Wikipedia em inglês, visto que sua tradução na Wikipedia em português encontra-se incompleta e, em alguns trechos, errada.

Se quiserem, sintam-se à vontade para consultar o ensaio «Steampunks!» constante na coletânea em e-book Ensaios de História Alternativa, cujo download é gratuito no site: http://www.scarium.com.br/e-books/sebook3_06_03.html

No que se pese que se trata de um texto escrito em 1998, é mais atualizado do que o verbete da Encyclopedia of Science Fiction, escrito pelo Peter Nicholls.

Contamos com a submissão da sua noveleta.

A submissão deve ser mandada somente em versão eletrônica, formato universal de texto (.txt) ou rich text file (.rtf), para os emails glodir@centroin.com.br e antologia@tecnofantasia.com (enviem para ambos de forma a que não se perca nenhuma submissão. Por favor, solicitem confirmação de recepção). Indicando na folha de rosto o nome de nascimento do autor, o nome literário (se diferir deste), o título da obra, a dimensão (número de palavras) e um meio de contacto (endereço, email). Se tiver de enviar mapas ou gráficos, por favor envie em ficheiro separado e faça a devida nota no corpo do texto.

Mãos à obra!

Gerson Lodi-Ribeiro & Luís Filipe Silva

 

[Link Permanente

14 Agosto 2009

De Regresso da WorldCon, Ana Cristina Rodrigues fala-nos sobre a sua experiência em terras norte-americanas.

[Link Permanente

13 Agosto 2009

Conheceremos Esta Ficção Científica depois de - muito possivelmente - ter sido adoptada pelo Ocidente, traduzida numa língua próxima, apresentada sem o contexto em que foi escrita (a nível de cultura do país e, muito importante, da reacção do autor à sua própria visão da FC- não esquecer que diferentes países têm diferentes historiais a nível do fantástico e logo as referências não são comuns nem imediatas) e de forma isolada, sem o acompanhamento dos outros autores do país. Depois, e por outro lado, há que sermos honestos e perguntar: se os nigerianos não se interessam pela Ficção Científica por sentirem que não representa os problemas actuais do país, de que modo é que esta pode conseguir vingar no Ocidente? Não será a nossa percepção de África - uma África pobre em eternos conflitos, afastada do progresso - igual, não veremos com algumas reservas a FC dessas terras por pensarmos que não nos pode ensinar nada?

Por sinal, se há alguma esperança numa FC internacional, creio que as maiores contribuições surgirão precisamente das sociedades que são o mais distintas possível da tecnocracia do Ocidente. Diferentes experiências com o progresso, diferentes posicionamentos no mundo, produzem expectativa diferentes sobre o futuro, e logo - espera-se - diferentes Ficções Científicas. Seria assim bastante interessante se a Nigéria, o Congo, o Quénia, o mundo árabe, conseguissem efectivamente, incorporando as lições da FC ocidental sobre as técnicas de especulação e escrita, desenvolver mutações do género literário que, por vezes, parece coxear com alguma falta de originalidade e está constantemente a regressar a temas e modas já percorridos. O desafio, aqui, seria conseguir manter o nível de especulação científica com algum grau de seriedade... sem cair na tentação do misticismo ou do colorido religioso local.

Haverá algum autor angolano ou moçambicano (aparte o Pepetela, que tem feito algumas experiências no fantástico) a lidar com este tema? Infelizmente, desconheço.

[Link Permanente

09 Agosto 2009

Em Tempos, Ocorreu-me A Criação de um termo diferente para designar a Ficção Cientifica, ou melhor dizendo, uma particular variante desta, vocacionada para a representação do impacto da tecnologia no ser-se humano, a que chamaria de TecnoFantasia, e lhe daria um manifesto. O propósito inicial, contudo, não encontrou parceria no mundo real, e se me tivesse cingido a explorar esse tema, este blogue estaria repleto de artigos de filosofia e sociologia e não de Ficção Científica. Porquê? Porque a quase inexistente FC publicada em português implicaria uma escassez de referências. Uma década de fantasias escapistas sobre Jovens a Quem a Grandeza é Prometida Sem Esforço que se tornaram sucesso de vendas, ou no mínimo, se traduziram numa garantia de público, não têm ajudado a limpar a reputação da FC e a convencer os editores de que vale a pena apostar neste cavalo.

Em grande medida, é uma questão de marketing e não de preferência, pois a FC, enquanto processo de antecipar um futuro e pensar nas consequências dos nossos actos colectivos, invade-nos todos os dias, desde o planeamento estratégico empresarial às análises básicas de telejornal - e também na literatura, nos romances populares vendidos como thrillers ou espionagem ou outra designação. Qual odor inefável, a classificação de FC enquanto tal não ajuda à colocação nem à promoção do livro, e em muitos casos parece afastar uma fasquia de público ao qual estaria, precisamente, vocacionado.

Este artigo de Kristine Rusch aponta para igual direcção e faz eco de algumas das minhas opiniões, embora não consiga ficar tão igualmente impassível perante o desaparecimento do género enquanto tal. Creio que disseminar o factor futurista pelas restantes ficções sem um núcleo central é desprovi-lo da pureza dos princípios - essencialmente, o que é a especulação e como a apresentar literariamente. Demorámos décadas a chegar à conclusão que os universos da FC se introduzem discretamente, sem explicações directas mas por via das insinuações e da subtileza, e deitar por terra todo este esforço seria uma perda imensurável. Além de que obrigaria o público de FC, o público efectivamente viciado nesta forma literária, a procurar as suas doses de forma diluída - e logo insatisfatória - em romances mais preocupados com os procedimentos judiciais, demandas religiosas, relacionamentos amorosos, mensagens políticas/sociais - em suma, romances menos preocupados com a FC do que com a sua mensagem (de certo modo) umbiguista.

[Link Permanente

08 Agosto 2009

Uma Visão Textual da Festa que decorre no outro lado do planeta, e nós cá, no meio da rua, encostados a espreitar à janela e a saudar com latas de cerveja vazias.

[Link Permanente

31 Julho 2009

Para Quem Possa Interessar, este blogue entrou de férias e assim irá continuar (espero) nas duas próximas semanas. Estão a decorrer alguns debates interessantes sobre críticas e fantasia lusófona que infelizmente só poderei acompanhar no regresso.

Entretanto, algumas actualizações:

  • Old Man's War do John Scalzi (Gailivro) - tradução entregue, será publicado daqui a poucos meses
  • Pulp Fiction à Portuguesa (Saída de Emergência) - encontramo-nos a preparar o cimento que irá unir as histórias e já em processo de paginação.

Irei, na medida da disponibilidade informática e pessoal, mantendo-vos informados. 

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto