Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


29 Dezembro 2010

Efemérides de 2010 (II). A segunda efeméride de 2010 é, obviamente, a preparação da antologia Os Anos de Ouro da Pulp Fiction Portuguesa. Depois de termos anunciado os vencedores, caimos num relativo silêncio - não obstante os contactos que foram sendo efectuados com os autores - do qual nem o eco saía, apenas cortado por uns teasers ocasionais no Fórum Bang!.

Quero deixar bem claro que a editora Saída de Emergência é absolutamente isenta de responsabilidade, e mais, tem continuamente incentivado e procurado alternativas para a conclusão do trabalho - o qual, se tem encontrado emperrado exclusivamente da minha parte, por motivos pessoais e não só. Apenas posso pedir desculpa e lamentar que as circunstâncias não sejam diferentes, e que não seja possível profissionalizarmo-nos neste mercado (significando para isso ter a possibilidade de dedicar tempo efectivamente produtivo - e não tempo roubado à família e às outras necessidades pessoais - sem quebra de rendimento). Aliás, é da consciência de todos os envolvidos que este projecto não fará dinheiro, tentando-se que não perca demasiado, o que torna todo o esforço inglório e injusto. Sim: inglório e injusto. Não é a roubar constantemente horas às noites e aos fins-de-semana que se sustenta uma literatura (pelo menos, uma que tente não se limitar a decalques de vampirada). Não é no torpor do período pós-laboral que se encontra a inspiração. Não é assim que se compete dignamente contra produtos internacionais realizados por gente focada no objectivo e devidamente remunerada.

Resta o alimento das palmadinhas nas costas, mas, como todos sabemos, apenas acontecerá se o resultado for excepcional (e depois de tanto tempo, não se quer menos do que isso); pelo contrário, e sem dúvida alguma, o pendor para a exigência desmesurada (como se o mercado nacional fosse daqueles a sério), para a inveja e frustração deslocada (sempre me surpreendeu quem vê assim tanta fama e glória na FC nacional) ou simplesmente para a inércia do costume alimentarão o habitual zumbido das críticas-varejeiras. A imprensa dar-lhe-á destaque mínimo ou inexistente, e haverá quem categorize a iniciativa como irrelevante ou um desperdiçar de oportunidade, pois não vão entender nem entrar na brincadeira. O ponto positivo é o do trabalho gráfico da editora, que, posso garantir-vos, está para lá de excelente e que por si só merece a aquisição.

Isto não é uma lamúria mas uma constatação. Como bem dizia o Heinlein - e nisto ele não perdoava -, «és parvo, esperavas que te agradecessem? Faz, mas é, o teu trabalho.» Ainda assim, diria eu com pena, há anos que este mercado não medra, mas um outro anagrama.

Para terminar, tomei conhecimento de comentários efectuados ao desbarato, anónimos ao que parece e tanto melhor, pelos quais se equacionava o presente atraso com a dedicação da minha pessoa a outras iniciativas entretanto concluídas. Ora, não só isto representa uma profunda ignorância de como funciona e se fecunda o espírito criativo (que não olha para o mundo com as palas dos asnos mas prolifera na diversidade), como esquece-se convenientemente de perguntar que tempo tem sido efectivamente dedicado a cada uma, e coloca-se, a meu ver, com igual inteligência - ou seja, estupidez - de quem apontaria o dedo a pais que, tendo um filho doente e hospitalizado, insistissem em alimentar e vestir, todos os dias, o irmão dele.

O bom sinal é que ainda continua a haver quem acredite e aguarde por um livro de qualidade. A essas pessoas, e aos autores - para lá de pacientes - e à própria editora, o nosso imenso agradecimento e apenas pedimos só mais um pouco de paciência. A parte mais difícil do caminho já ficou para trás.

[Link Permanente

27 Dezembro 2010

Efemérides de 2010 (I). Ter descoberto que as palavras mais bonitas da língua portuguesa não são Amo-te nem É um menino nem sequer Vamos de viagem, mas simplesmente Não é maligno.

(Esta tem o condão de calar conversas. O respeitinho que temos por estas coisas...)

(Aconselho-vos entretanto o excelente livro abaixo, que apresenta uma nova - e a meu ver, extremamente acertada - visão sobre as interacções vírus-hospedeiros ao longo dos milénios, e como ainda estamos no início de entendermos a complexidade do nosso património genético. Repleto de boas ideias para o entusiasta de FC)

[Link Permanente

26 Dezembro 2010

Noite De Consoada e o meu router fez-me o favor de se juntar aos anjinhos sem aviso prévio. Onde encontrar um novo router àquelas horas insanas? Quem, na urbe fria, daria abrigo a um pobre viciado em internet à procura do último twitter inútil? Como poderia ele manter contacto com os outros coitados sem vida real? Quantas milhas e nevões e casas na pradaria e corcéis velozes e saloons e copos de palheto percorreria o vingador cansado, até... aham. Pois, ainda tinha o modem. Resmungando pelo desconforto de ter de sentar-se num lugar fixo, ao invés de poder sentar-se na casa onde bem lhe apetecia. A privação tecnológica é uma coisa tramada. A idade, também.

Ainda se fala em cloud computing e descentralização dos dados. Sem uma cópia offline actualizada em tempo real, sempre queria ver quantos negócios se poderão manter vivos ante uma quebra generalizada das comunicações. O que implica custos, se não duplicados, no mínimo acrescidos, para manter, quer cópia quer original. Cheira-me que o cloud computing é mais uma bolha à espera de rebentar, e que alguns grandes negócios serão levados na enxurrada...

Por outro lado, escreve-se demasiada FC em que a tecnologia funciona sem falhas. Como se a nossa experiência não fosse outra. Falta uma visão de uma tecno-ecologia, de máquinas com auto-diagnóstico e auto-reparação, de uma forma tão básica e desapercebida que nunca notaríamos que tinham estado avariadas. E de tempos a tempos, uma quebra sistémica anunciaria a morte do mecanismo. Empregaríamos então os termos «doente», «obstipado», «falecido» aos nossos electrodomésticos com justificada legitimidade. Sentiríamos genuína pena e perda. Uma ponderação que deixo a todos vós, caros escritores.

[Link Permanente

25 Dezembro 2010

Alguns Pensamentos Animadores nesta quadra festiva.

- Tem de me ajudar, doutor. Sinto-me um fracassado. Tudo aquilo em que me envolva... falho. Acabei por perder o emprego, a minha família, os meus amigos, a minha casa... Até me tentei matar.
- O que aconteceu?
- Atirei-me de uma ponte para a linha do comboio mas calculei mal e acabei por aterrar na relva. Nem sequer parti nada.
- Céus, homem - exclamou o médico. - Como é que é possível falhar isso?

 

Era tão procrastinador, que passou anos a afirmar que se ia matar, até morrer de velhice.

 

Ela escrevia livros de auto-ajuda por que gostava de ajudar as pessoas. Há vários anos, quando ele veio procurá-la com a enorme depressão, disse-lhe para dar importância ao que tinha. Prescreveu-lhe passeios e afazeres e rotinas, leu-lhe textos, atendeu-lhe as crises telefónicas das madrugadas durante meses.
Este ano ofereceu-lhe o livro Como Preparar Bombas Caseiras. Talvez assim resulte.

[Link Permanente

24 Dezembro 2010

O Presente É O Futuro que ninguém quis. Entre a miscigenação do urbano e da fantasia fácil e indolor, e a distorção da História para assumir vestes de modernismo com pouca ou nenhuma preocupação com a crítica social nem com o relativismo dos nossos comportamentos sociais, não há mais espaço para a Ficção Científica. É quase comovente perceber o quão nos distanciámos das palavras de Jack Williamson, um dos poucos autores que esteve no início do género e talvez tenha estado no seu fim:

For people of school age in the 1920s, science seemed like a sort of wonderland that would be a means of changing the world and making things perfect. And this was a feeling shared by many of us who were drawn to writing science fiction in that period.

O deslumbramento pelo vislumbre do futuro foi substituído pela re-descoberta de um passado alternativo de glória tecnológica. É isto o steampunk, e é lá que encontrarão os autores que escreveriam de outro modo FC nos dias actuais. Também esta moda passará, e com um tempo de vida mais curto, pois nem sequer nos permite ansiar pela vinda dos mundos descritos. Mas esta não deixará herança.

Se houve gente desanimada com o que o futuro lhes promete, será sem dúvida a que habita o Planeta Portugal, foram empurrados no último ano, entre berros e pontapés, para dentro de um romance de K. Dick, daqueles em que a realidade é muito diferente do plácido sonho em que pensavam viver. Mesmo que a realidade não passe de um desafio impossível imposto pelos matulões do clube europeu, naquela atitude de impor tarefas humilhantes aos putos de óculos e borbulhas, se não dá-se-lhes porrada... para que o puto de óculos e borbulhas volte a perceber que nunca fez verdadeiramente parte do clube.

Também por estas paragens relativamente caladas cederemos lugar ao revisionismo histórico, ao poder do vapor e da electricidade a carvão, talvez com algum comentário sarcástico à mistura. No fim, convém colocarmos em ordem a história da nossa vida, para que não assinalem mal os factos. Aceitam-se novas designações para este planeta. Se comprarem por atacado, fica mais barato.

Feliz 1811.

[Link Permanente

18 Dezembro 2010

Esta É A História De Uma Sociedade tecnocrática que sonha com campos verdejantes e prados de papoilas. Claro que já se esqueceu que foi ali que começou, dia após dia trabalhando arduamente sob sol e chuva e rezando aos deuses dos elementos para que a geada não queimasse as colheitas e os gafanhotos não se juntassem em «flash mobs» devoradores. Tão insatisfeita estava que preferiu atravessar uma Revolução Industrial e várias guerras europeias até atingir um estado de equilíbrio assente numa economia global e na saúde assistida. Não há mal nenhum em sonhar, desde que se tenha presente que é algo que acaba ao acordar, ou nos genéricos finais. E que até os cenários dos sonhos terão os seus próprios sonhos de perfeição, sinal de que não representam o paraíso.

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto