Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


29 Abril 2011

O Conto Seguinte Apresenta-nos um Peter Pan activamente envolvido nas andanças políticas do Império Britânico, ao agir como espião ao serviço de Sua Majestade. No entanto, enquanto miúdo traquinas e imberbe que é, o seu comportamento deixa muito a desejar... junte-se a isto a trisneta de Wendy e um rol de gerações de mulheres apaixonadas pelo rapaz voador que não queria crescer, bem como um vilão perfeitamente inesperado mas lógico, e fica-se com algo semelhante a um cadáver esquisito, uma junção de várias peças, atrapalhadas no início (a prosa inclusive alterna, confusa, entre tempos verbais - desconhecendo o texto original, não me foi possível determinar se se trataria de uma homenagem propositada) mas, graças ao predomínio final de uma voz adulta e de uma opinião vincada sobre o personagem de Barrie, acaba por resultar. É a voz de uma criança ambiguamente desiludida por ter crescido mas também convencida que quem recusa crescer acabará por ficar com graves cicatrizes na alma - a voz de Sarah Reese Brennan em «The Spy Who Never Grew Up», e a sua melhor dádiva é lembrar-nos que, nos dias actuais, se quiserem ser aceites em sociedade, os contos de fadas são obrigados a crescer e vestir-se de pós-modernismo.

«The Aarne-thompson Classification Revue» de Holly Black é, também, uma abordagem moderna, desta feita sobre o tema do lobisomem, que desta feita é uma jovem mulher, e que, desta feita, procura sobreviver e adaptar-se e ter uma vida apagada, para que não se notem as diferenças. Acaba no cimo de um palco, na noite de estreia, a debater-se contra uma transformação que não controla. Pequeno, ainda que bem construido, tem dificuldade em manter-se na memória do leitor além do encerramento das páginas.

Por seu lado, «Under the Moons of Venus» de Damien Broderick é um texto pseudo-adventista sobre o Dia do Juízo Final, embora esta alusão nunca seja concretizada. Contudo, que outra leitura ter de uma situação em que Vénus é terraformado por uma espécie inteligente não-humana (atenção que não disse «extraterrestre» de propósito), e toda a gente do planeta é deslocada para nele habitar, exceptuando um conjunto de rejeitados? A explicação científica parece deslocada do tema, e, embora apresentando informações pouco conhecidas, não senti que contribuisse para a finalidade da história. Esta revela-se no final, em que se descobre, sem grande surpresa, que a verdadeira intenção do protagonista é de se juntar aos escolhidos.

Com «The Fool Jobs», Joe Abercrombie demonstra-nos, novamente e de forma compacta, o motivo pelo qual é considerado um dos autores de fantasia mais irreverentes e divertidos da nova geração. Um conjunto de mercenários é contratado para um serviço de treta, o «serviço» que só um «tolo» aceitaria: roubar um determinado objecto escondido numa aldeia na região que ninguém quereria percorrer. Que objecto é? Pois, quem os contrata afirma somente que, quando virem o objecto, saberão qual é. Cépticos como quaisquer bons mercenários que prezem a integridade das suas peles, isso não os reconforta. Junte-se a isto uma boa dose de cobardia e loucura, além de um excelente sentido de humor, e o resultado é imperdível.

(Continua...)

[Link Permanente

25 Abril 2011

Chegou Aquela Etapa No Ano em que é preciso (realmente preciso) olhar para o ano transacto e definir fronteiras para o território das melhores histórias curtas publicadas durante esse período - falamos de FC e Fantasia, obviamente.

Um dos volumes anuais que compilam opiniões pessoais sobre estas histórias (os quais apresentam uma surpreendente elevada taxa de sobreposição entre si, o que acaba por reduzir as perspectivas sobre o género e sem dúvida empobrecê-lo) e que já se encontra em algumas das livrarias nacionais que contenham livros importados trata-se de The Best Science Fiction and Fantasy of the Year, Volume Five, organizado por Jonathan Strahan (pois, nem a nível dos títulos encontramos grande variedade. Imagine-se que um destes senhores antologias se propunha subtitular a edição do ano como «The Year Hard SF Came Back From the Dead»; tanto medo de se mostrarem parciais, e depois perguntam-se por que os leitores bocejam profundamente). Irei, como já fiz no passado, apresentar algumas opiniões pessoais sobre os contos seleccionados.

A abrir, «Elegy for a Young Elk», do finlandês Hannu Rajaniemi. Não fosse este o autor do divertidissimo The Quantum Thief, que já me encontrava a ler, e duvido que voltasse a dar-lhe uma oportunidade. Anódino, insubstancial e inconsequente, o distanciamento e o descuido da prosa tornam a história tão higiénica que lhe é impossível captar-nos a atenção. Uma sensação de profunda perda de tempo semelhante à que tive com o Tony Daniels, há muitos anos.

«The Truth is a Cave in the Black Mountains» é uma lufada de ar, com a habitual competência de Neil Gaiman. Uma viagem emocional cuja verdadeira natureza - como é, aliás, intuido no início - não é a que aparenta. Este seria o tipo de histórias próprio de um folclore moderno, se tal criatura existisse.

A seguir, «Seven Sexy Cowboy Robots» de Sandra McDonald é simplesmente... estranho. Uma mulher separa-se de um marido rico, criador dos andróides mais famosos e vendáveis da época, e que requer, como cláusula de divórcio, que este lhe entregue seis robôs com forma e pujança (sexual) de cowboys. A história trata do relacionamento desta com os robôs, e como lhe vão fazendo companhia ao longo dos anos, cada qual com a sua personalidade própria. O tratamento do tema é tão vincadamente feminino que me fez sentir que uma mulher seria capaz de apreciar o que, a mim, apenas me aborrecia - é rara a prosa que comporta uma voz tão marcante, e por esse motivo o conto merece destaque.

(Continua...)

[Link Permanente

24 Abril 2011

É Impressionante A Importância que o mundo (dentro do género, bem entendido) atribui a esta singela lista anual de nomeações e galardões, como se reflectisse critérios globais e indiscutíveis de qualidade e não, efectivamente, o consenso, de entre os mil e poucos votantes, do que estes consideram ser «ficção científica». Não deixa de ser uma responsabilidade algo excessiva para tão pouca gente, a de falar pelos seguidores de todo o planeta. O argumento contrário é o facto de se terem interessado o suficiente com a situação do género para apresentarem um voto - quem se abstém, não conta... No final, o balanço resulta positivo, pois estabelece padrões, que podem ser seguidos ou contrariados.

Após um conjunto de anos com a cabecinha virada para textos de Fantasia, o Hugo tem apresentado, nos últimos anos, uma saudável (na perspectiva cá da casa) preferência pela racionalidade científica. Este ano assiste-se a uma mistura estranha, na qual textos sobre zombies (Feed) concorrem com futuros imediatos sobre terras não ocidentais (The Dervish House - passado na Turquia), viagens no tempo clássicas (Blackout/All Clear), space opera militar com todos os aparatos tradicionais (Cryoburn) e uma fantasia feminista com laivos de Ursula Le Guin (The Hundred Thousand Kingdoms). O conjunto de finalistas parece-se assustadoramente com o formato politicamente correcto dos comunicados empresariais norte-americanos (cujas ilustrações devem incluir mandatoriamente representantes de todas as raças do país, numa atitude que pode ser bem intencionada, mas não deixa de parecer igualmente racista, e por conseguinte hipócrita, do que o anterior predomínio branco): estes são os temas dominantes do actual panorama da FC editada nos Estados Unidos, se exceptuarmos a faixa vampiresca que tem público próprio e inclusive já iniciou o seu processo autofágico.

Perante tal diversidade, é difícil apostar num cavalo vencedor, sendo que tudo irá depender agora dos gostos dos participantes da convenção mundial, os únicos que podem votar no final. Também em possível resposta a queixumes dos anos anteriores, um saudável predomínio de mulheres entre os autores finalistas. A única reacção a ter? Ler todos os romances, contos e ensaios nomeados, pois entre eles estarão alguns dos melhores textos do género publicados em 2010, e depois, informados, decidir por vós mesmos.

P.S. - destaque para a possível atribuição do John W. Campbell Award para novos escritores ao luso-descendente Larry Correia. Existe ficção científica portuguesa, sim, a medrar em terras estrangeiras.

[Link Permanente

14 Abril 2011

Menos Portentoso Que A Viagem até à Lua, mas igualmente importante, foi o vôo orbital de Gagarin, cujo 50º aniversário se celebrou mundialmente há poucos dias. Ao conquistar uma nova fronteira, tornou-a acessível e logo banal. Já não encaramos o espaço com temor nem admiração. Ou se há temor, é o das facturas, quando se olha para o custo versus o lucro imediato. A economia não está apenas a roubar o futuro deste povo (que, admita-se, adora a sua vidinha de pequeno burguês comprada a crédito) mas já roubou o sonho de estabelecermos colónias noutros planetas numa década próxima. A não ser que as viagens interplanetárias tripuladas fiquem subitamente baratas e fáceis de realizar (o que seria um milagre; é mais viável enviar sondas automáticas) ou que sejamos empurrados para fora deste habitat redondo por uma daquelas catástrofes ecólogicas/solares que poderíamos ter antecipado e estabelecido medidas para minorar, mas que, como é hábito, só vamos tentar resolver depois do acidente...

Fiquemos com esta lembrança, tranquilamente à espera do apocalipse... perdão, do subsídio europeu.

[Link Permanente

12 Abril 2011

Uma Lição Muito Persuasiva sobre o valor intrínseco do Marketing. Apetece-me ir comprar qualquer coisa, seja o que for, já!

(Forte cotovelada para os nascentes autores futuristas/fantasiólogos: isto não vos abre os horizontes para pensarem enriquecer os vossos mundos com versões desta disciplina adaptadas à respectiva cultura e disposição? Não vos ajuda a entender a natureza humana e como os nossos cérebros de macaquinhos são guiados por estímulos básicos e comuns? Não vos impele a recolher informação sobre estudos comportamentais e sociológicos? Não vos sugere ideias para enredos sobre sociedades humanas em que este tipo de comportamentos seja proibido/aplaudido/intensificado? Não vos apetece utilizá-lo para iluminar aspectos particulares desta nossa realidade, pelo recurso à ironia ou ao pathos? Não? Nada? Ah, bem. Pronto. Mas depois não venham perguntar-me por que o actual fantástico lusitano me sabe, na sua maioria, insulso...)

[Link Permanente

09 Abril 2011

Isto Merece Ser Visto. É bom ver alguém do meio a assumir a preferência do cinema português pela composição - e efectivamente a dar-lhe um nome -, ainda que, pessoalmente, considere ser este o maior defeito (a composição frequentemente oculta graves deficiências de conteúdo, tornando-se em composições de inutilidade).

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto