Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


11 Junho 2012

O Que Estranho é a frequência com que, no meu contínuo mergulho pelas entranhas do (pouco) que se possa identificar como Ficção Científica portuguesa clássica, ocasionalmente misturando-se com os praticantes da (pouca) real pulp fiction lusitana, encontro convicções desta natureza, atiradas sem qualquer contexto e sem qualquer relativização face ao género (pois não duvido que o autor tinha um tipo particular de histórias em mente).

Que o mainstream nos castigasse pela nossa ousadia de marginalidade, perfeito - faz parte do jogo. Receber invectivas destas dos que labutam ao nosso lado é mais complicado. E não - não foi o único. Mas ao menos é uma pista adicional - e importante - para compreender a dificuldade de consolidação do género neste país na época em que supostamente devia medrar.

Da entrevista de António Dias de Deus a Raul Correia, autor frequente d'O Mosquito - o negrito é nosso:

(...) D.D. - Há ainda muitas novelas, sem qualquer nome de autor. Poderia identificá-las?

R.C. - Vejamos: «O Falcão da Pradaria» - Raul Correia; «O País dos Ventos Ululantes» - José Padinha; «O Vale do Silêncio» - Raul Correia; «O Punhal do Imperador» - José Padinha?; «O Jura­mento de Águia Negra», «Um Caçador Fez testamento», «Quero Ser Palhaço», «Tobias Contou a História» - José Padi­nha? Quanto a «O Príncipe e o seu Fantasma», sabia que muitas dessas histórias eram adaptações de histórias inglesas? Essa, por exemplo, era de ficção científica. Eu nunca escreveria ficção científica, género que detesto.

D.D. - Sim, é um género que denota grande falta de imaginação.

R.C. - Pois é. Inventa-se um planeta estranho, fabricam-se uns habitantes desse planeta, e, no fim, fazemo-los actuar como se tivessem um comporta­mento humano. Ora, se houvessem outros tipos de vida, eles poderiam ser totalmente diferentes dos nossos. Até talvez nem fosse precisa a existência de água. Nós só falamos daquilo que já conhecemos.

[Link Permanente

07 Junho 2012

Assombra Nas Profundezas Dos Arquivos. E de quando em vez estica a cabeça.

Sandra não gostou de saber que a reunião do Presidente se tinha atrasado e que teria de esperar na pequena sala de visitas. Não gostou de perceber que, entre os participantes, se incluia um dignatário dos Cabeça-de-Abóbora, da extirpe que, diziam os corredores, tinha estado envolvida no conjunto de projectos de bio-manipulação humana que tinham dado para o torto, sido expostos internacionalmente e derrubado o governo de então. Não gostou de descobrir que a reunião era à porta fechada. E muito em particular, não gostou de ter de esperar na sala de visitas, por muito luxuosamente decorada que estivesse com tapeçarias antigas oferecidas por embaixadores e representantes de Estado e equipada com poltronas confortáveis e ligação à internetdois, juntamente com um acólito do referido dignatário.

Embora informada sobre a natureza daqueles seres, Sandra assustou-se ao entrar na sala silenciosa, ainda envolta na sensação de despeito pela sua pessoa e pela sua função, e sentir, antes de ver, a presença de algo estranho, volumoso e calado nas suas costas. Foi uma reacção puramente animal: deu meia-volta, soltou um grito, pulou para trás. O acólito limitou-se a mirá-la – se é que estaria a mirá-la – com dois globos oculares empalados no cimo de gavinhas curtas e uma completa ausência de expressão na caricatura de rosto. Estava agachado no canto da sala, as extensas patas recolhidas debaixo do corpo como um louva-a-deus em repouso, a pele lisa e brilhante, sem quaisquer marcas nem pêlos, e de aspecto duro como se feita de queratina. No que passava por focinho, apenas havia uma abertura no fim das queixadas, um opérculo que mantinha fechado. Não produzia qualquer movimento, nem o da respiração que trairia qualquer animal humano daquele porte. Perante uma cor uniforme e uma ausência de traços distintos – cicatrizes, padrões de cores, manchas –, passaria por uma estátua amarela de um artista criativo que se tivesse inspirado na anatomia dos insectos. Sandra recompôs-se, algo envergonhada, embora isso nada significasse para as espécies extraterrestres, em particular para o membro de uma tão servil como aquela, passou as mãos pelo cabelo, inclinou a cabeça, disse Bom dia!, e ainda se sentiu mais parva quando não recebeu resposta. Alguns acólitos eram perfeitamente funcionais e autónomos, como o Mr. Jeeves da Wilhelmina, outros demonstravam a dependência e inteligência de canídeos. Este parecia pertencer ao segundo grupo.

Os minutos passaram devagar. Sandra não se considerava especialista em contacto extraterrestre – já contactara com vários ao longo dos anos, e sabia que era preciso ter um certo tipo de espírito, uma certa obsessão pelo assunto, e narinas fortes. Mas conhecia o suficiente da História recente para reconhecer indícios de problemas potenciais. Foi com alguma ansiedade que aguardou nos confortáveis assentos da sala, embora tivesse ligado o computador para aproveitar o tempo perdido; acompanhada por um par de cafés latte extra-fortes, mergulhou nas actualidades do dia e nos email que aguardavam a sua intervenção.

Cinquenta e cinco minutos depois da hora combinada as portas do gabinete abriram-se. Sandra fechou a tampa do portátil, ergueu-se, ajeitou a saia. Apenas sairam três elementos de dentro. Um deles era o Ministro de Defesa Nacional, um homem de estatura diminuta, cabeça enterrada nos ombros e um porte largo, quadrático, que conseguira o cargo por intermédio da família, detentora de grande parte da central de energia de fusão nuclear instalada na antiga localidade de Peniche – um dos inúmeros complexos desenvolvidos a partir da sabedoria oferecida, sem contrapartidas e em sinal de boa-fé, pelos extraterrestres, à espécie humana, a qual tinha sido apropriada imediatamente por um conjunto de investidores oportunistas e usada para os tornar escandalosamente ricos. O seguinte era o Secretário de Estado para Comunicação e Imagem, um jovem de aparência imaculada e ar empreendedor, que transpirava a ambição por todos os poros. Seguiu-se-lhes um Conselheiro para Contactos Inter-Espécies, um homem franzino e calado, mas de olhar atento, atitude própria daquela estirpe de profissionais cuja principal função era servir de intermediários para os extraterrestres em assuntos que envolvessem avultadas comissões de ambas as partes. E por fim, o Cabeça de Abóbora.

Cheirou-lhe a presença antes de o ver. Era um odor a lodo, a matéria putrefacta, que comunicava directamente aos instintos da espécie. Para Sandra era mais uma forma de os Cabeças de Abóbora – que se tinham tornado em mestres da biologia terrestre em poucos anos – incomodarem os anfitriões do planeta. Havia quem não conseguisse controlar as náuseas e necessitasse de medicação constante se pretendesse seguir as lucrativas carreiras de contacto alienígena. Para Sandra, o odor não se conseguia comparar às sensações que lhe provocava a visão de um daqueles seres.

E agora antevia já a cabeça redonda, grotesca, de um deles, famosa em todo o mundo e distintivo da alcunha que os acompanhava; o sorriso rasgado, perturbador, feroz. A pele de queratina reluzente e húmida, de aspecto peganhento e sujo. As mandíbulas em enervante movimento permanente. As presas destacadas em várias fileiras de dentes, cada qual com funções distintas de rasgar ou triturar alimentos. Depois o corpo alongado de lagarta, coberto de placas de verde enjôo, semelhantes às das asas das moscas. As pequenas patas articuladas, às dezenas, que o faziam progredir lentamente e de forma insinuosa, quase sensual. Um ser volumoso, quase da altura de um ser humano e duas a três vezes tão extenso. Os humanos ficaram de lado a aguardar que o corpo emergisse completamente do gabinete. O Presidente aguardaria do lado de dentro. Tudo tinha de parar ante a presença deles. Inclusive as portas do palácio onde residia agora o governo tinham sido alargadas, reconfigurando e estragando em grande parte a estética do edifício, para acomodar tais convidados.

O acólito reagiu com espantosa rapidez, colocando-se de pé sobre as patas dianteiras, que à semelhança das girafas, eram maiores que as traseiras, elevando-lhe o pequeno corpo alongado. A superfície luzidia era, afinal, uma capa que recolheu contra o corpo, dobrando os segmentos de queratina no que pareciam ser tendões internos. As patas bateram contra o soalho liso de forma sonora, como se calçasse sapatos de porcelana, deixando marcas visíveis que, pensou Sandra, iriam custar dinheiro aos cofres do Estado a remover. Acercou-se do dono, apoiou-se sobre as patas traseiras, lançou as dianteiras sobre o dorso deste, e começou a aspergi-lo com uma substância branca e viscosa.

Os dignatários humanos perderam de imediato o ar de contentamento ao observar o espectáculo insólito e ficaram a olhar com imenso espanto; o Ministro da Defesa, inclusive, teve de afastar-se para não ser igualmente banhado.

Enquanto este procedimento decorria, o Cabeça de Abóbora pareceu reparar em Sandra, e inclinou a cabeça na direcção dela. Ela devolveu o cumprimento, por não saber mais o que dizer. Não se lembrava de ler nos comunicados internos nenhuma menção ao ritual.

O Cabela de Abóbora, à semelhança da maioria das espécies terrestres, tinha um par de olhos de cada lado da cabeça para triangulação das distâncias, o que muito havia deliciado os cientistas. Fixou-os nela, dois globos negros que absorviam a luz e se assemelhavam a miras automáticas. As gavinhas dianteiras, situadas logo abaixo da cabeça, que, pela aparência frágil não serviriam nem para locomoção nem para manipulação (tudo nos Cabeças de Abóbora era um enigma), mostraram a sua utilidade, teclando agilmente na superfície da caixa de voz pendurada ao equivalente de pescoço.

- Dra. Sandra, é um prazer revê-la – a voz surgiu neutra e mecânica, embora fluída, igual a todas as vozes de todos os outros Cabeças de Abóbora. – Peço desculpa por esta necessidade terapêutica, mas a minha pele ressente-se desta vossa estação do ano. A nossa atmosfera é muito mais húmida e quente que a vossa.

Sandra engoliu a custo a bílis que lhe subia pelo esófago, apertou as mãos atrás das costas, ciente de que o extraterrestre tudo observava e registava, e mostrou o seu melhor sorriso.

- Caro Dignatário, o prazer é todo meu. Que seja grande a sua prole, que seja fértil o seu ninho, que seja longa a sua herança.

Isto, claro, era também uma ofensa velada, pois as quatro manípulas que sobressaíam intactas do ventre indicava que ainda não tivera uma ninhada que considerasse merecedora.

- Folgo que os preparativos para a conferência avancem com todas as medidas adequadas. Somos seres caprichosos, nós, os extra-sistema. De exigências difíceis e complicados rituais de negociação. Saúdo o seu espírito de sacrifício em comandar as operações, doutora. Na minha espécie quem conduzisse tal papel saberia que o preço da falha seria a extinção de si mesmo e da sua linha genética. Por tais actos traçamos a fronteira do aceitável na nossa espécie.

- O senhor dignatário não se preocupe, que temos formas de punir igualmente severas – pelo canto do olho observou o Presidente, que, emergido do Gabinete, encarava com extrema perplexidade a mistura conversa/massagem.

- Decerto que a vossa espécie se comportará devidamente onde a nossa ousaria pisar – a massa pesada do extraterrestre avançou para a porta, o fedor da presença avivado pelo cheiro adocicado do gel que agora o cobria e lhe dava brilho. O acólito acompanhou-o de lado em posição submissa. E só depois é que os representantes humanos se atreveram a sair.

- Doutora Mirza, faça o favor de entrar – indicou o Presidente, regressando ao gabinete, onde os empregados tinham já acabado de voltar a arrumar os sofás e cadeiras que a presença do extraterrestre obrigara a colocar de lado. O espaço cheirava fortemente a perfume, forma de afastar o resultado de horas de presença de um Cabeça-de-Abóbora. Infelizmente, para Sandra, não se tornava menos enjoativo. O Presidente sentou-se na secretária, e embora não assumisse de imediato um ar formal, indicou subtilmente que pretendia ir directamente ao assunto. – Lamento imenso tê-la feito esperar, mas marcaram-me esta reunião importante à última hora, sabe como isto é... infelizmente, tenho uma conferência de imprensa daqui a quinze minutos, pelo que teremos de despachar a nossa. Para minha infelicidade, pois a doutora sabe quanto prezo a sua presença.

Claro que ela sabia. Tanto prezava que a inundara de flores pelo aniversário e a convidara repetidamente para jantar. Habituada à reacção dos homens ante a sua figura (as comparações que fotógrafos e realizadores lhe faziam com uma jovem Padma Lakshmi  nos seus tempos áureos não eram exagero, e teria entrado em Bollywood se tivesse desejado), estava também habituada a cortar quaisquer esperanças logo de início, o que fizera no caso do Presidente. Este reagira da forma como também o faria muitos dos homens, iniciando uma ostracização subtil que resultara no convite para organizar a mais importante conferência inter-espécies de sempre. Um presente envenenado.

Sim, ela bem sabia o quanto ele prezava a sua presença.

- Não tem importância. Podemos acelerar a discussão. Contudo, depreendo que o senhor Presidente tenha informações cruciais a transmitir-me.

- Como assim?

- Bem, acabo de ver os dois principais responsáveis pela segurança do país e o senhor Presidente reunirem-se à porta fechada com um dignatário dos Spiertvick'kap... é natural supor que a discussão possa ter importância para a conferência que se avizinha.

O Presidente abriu a boca num sorriso de dentes imaculados e luzidios. O sorriso profissional de um político: charmoso, fácil e traiçoeiro. Mecanismo de defesa natural quando se sentia encostado à parede.

- Mera troca de informação inter-espécies, no bom interesse do país. Não tem impacto no seu trabalho, doutora Sandra. Não precisa de preocupar-se.

- Muito bem – agora que ele mostrara que o assunto era confidencial, mais curiosa se sentia. Teria de usar meios menos oficiais e directos. Abriu a pasta e retirou um molhe de folhas agrafadas. – Este é o ponto de situação do projecto. Resumidamente, encontramo-nos cerca de duas semanas atrasados face ao objectivo inicial, a nível da reconversão da secção lateral esquerda da estação orbital para a instalação do auditório comum. Aconteceram problemas durante a instalação, nomeadamente uma erupção solar inesperada que tornou perigosa a permanência dos construtores no espaço e a demora de alguns dias, devido a tempestades no local de lançamento, no envio de novas equipas.

- Não foi possível utilizar robôs? Não quero que a data da conferência seja adiada por motivos imputáveis a nós.

- Estabelecemos prontamente uma forma de compensar o atraso... – disse Sandra. – O que estamos a fazer...

- Sim, os detalhes não me interessam, doutora. Preciso que me garanta isso. Algum dos outros extra-planetas pode usar isso como desculpa, e lá se vai esta presidência...

- O senhor Presidente é então da opinão de que não há perigo de os Spiertvick'kap se ausentarem?

Ele recostou-se no cadeirão, ajeitando o fato e compondo o cabelo.

- Sou dessa opinião, sim. Sempre se manifestaram muito disponíveis para ajudar-nos. Para estabelecer contacto com os representantes das outras espécies. A doutora não concorda?

- Concordo, senhor Presidente. Concordo em excesso, diria mesmo. A prestabilidade tem sido sentida pela minha equipa em todos os níveis. Na sugestão de equilíbrio ambiental em órbita para proporcionar a melhor mistura de gases atmosféricos e disseminação de calor para todos os participantes. Na revisão dos espaços privados de cada espécie, porque aparentemente os Spleen sofrem alterações significativas em ambientes de gravidade-zero e os Angst possivelmente enviarão um representante capaz de sobreviver no vácuo. Nos temas que devem ser abordados e no protocolo mais adequado a todos. Inclusive no treino, com simulações, dos humanos que irão moderar os debates. Temos aprendido mais neste período sobre a forma de interagir das várias espécies do que nos últimos anos.

- Então isso só pode ser bom, não lhe parece? – Soltou de novo aquele sorriso desarmante. Era um homem bem parecido. Não fosse a arrogância natural, e a incapacidade de poder confiar nele, e Sandra não teria tido pejo em aceitar os convites lançados. – Ainda a conferência não aconteceu e já estamos a colher frutos...

- Se nas três décadas de convívio inter-espécies houve algo que aprendemos rapidamente sobre os Cabeça-de-Abóbora, é que são mais avarentos que o Tio Patinhas. E que sabem fazer-se pagar pelo que oferecem. Esta manifestação de generosidade...

- Não duvido que venham a lucrar com o evento. Doutora Sandra, sei bem que vamos apenas fazer de almofada para suavizar o embate dos titãs. Eles precisam de negociar uns com os outros, questões de território, trocas comerciais, uso de recursos, seja lá o que for. Por sinal, também nós precisamos. Talvez os Spleen estejam mesmo a extrair sem custos as últimas reservas de petróleo. Talvez os Angst nos disponibilizem as minas da América do Sul. A nossa civilização precisa de recuperar o acesso que costumava ver às riquezas do planeta. Temos de conseguir ajudar-nos uns aos outros. Temos de criar elos e dependências mútuas. Caso contrário voltamos a existir isoladamente no planeta, e a única forma de tomar o que precisamos é pela força, como acontecia antigamente. E isso não beneficia ninguém.

Esticava os braços e avançava no assento, mostrando unidos os dedos das duas mãos num aperto evidentemente coreografado. Sandra lembrava-se de algumas destas palavras como fazendo parte da argumentação que usara junto do Parlamento para convencer os deputados a largar os cordões da bolsa pública e financiar a reconversão da plataforma espacial. Ocorreu-lhe então algo, pela primeira vez (castigando-se interiormente por não ter desconfiado antes), que o ganho pessoal do Presidente poderia não ser apenas o prestígio político, como pensara, nem se calhar as discretas oferendas financeiras do costume, mas algo mais profundo, mais intimamente ligado aos verdadeiros motivos dos Spiertvick'kap. Afinal, todos os Presidentes têm um preço.

Ele voltou a recostar-se.

- E quanto aos outros extra-planeta, doutora Sandra, não se encontra preocupada? Os contactos com os Spleen e os Angst estão a decorrer em conformidade? A presença deles está garantida?

- Os Spleen irão. Têm-nos inclusive enviado com alguma regularidade adornos supostamente religiosos para cobrirmos os espaços de convívio a bordo. Tivemos de avaliá-los para efeitos de segurança, e descobrimos que todos os adornos possuem uma fonte de energia interna e transmitem continuamente informação codificada em ondas curtas. Os Spiertvick'kap dizem-nos que são terços de orações, nós cremos que sejam câmaras e retransmissões espiões.

- Bem, era de esperar... Desde que não os coloquem onde ouçam o que não devem... E os Angst?

- Apenas conseguimos falar com humanos... pessoas. Pessoas que se apresentam como porta-vozes do colectivo. Mas que asseguram a presença da espécie e não requerem sequer acomodações especiais.

- E como podemos ter certeza do que afirmam ser?

 - Os Spiertvick'kap indicaram que os Angst costumam recorrer a elementos... «convertidos» da espécie com quem contactam... Sugeriram-nos estarmos atentos a alguns indícios subtis. Reacções fisiológicas, termos utilizados, esse tipo de coisas. Passaram no teste. Os porta-vozes foram sempre diferentes, durante os vários contactos, mas mostravam ter um conhecimento total e detalhado das reuniões anteriores. Como se partilhassem uma única mente... Como se não tivessem vontade ou personalidade própria... – estremeceu involuntariamente ante a lembrança.

- Fico contente, doutora Sandra, que tudo esteja a decorrer na conformidade. Tenho mesmo de ir. Damos por encerrado...?

- Senhor Presidente, continuamos a receber aquelas mensagens – disse apressadamente, levantando-se em acompanhamento do homem do outro lado da secretária. – Agora ameaçam rebentar a estação espacial se não recuarmos. Foi efectuado algum progresso na captura destes...?

- Não se preocupe, estou a acompanhar o assunto. A investigação está a correr bem. Ainda hoje o Ministro da Segurança Interna me assegurou que os culpados já foram identificados e que alguém está infiltrado no meio para os deter.

- Oh. Não tinha sido informada do assunto.

- Não leu o relatório? Possivelmente estará acima do seu nível de segurança.

- Senhor Presidente, como deve entender, é importante para o meu desempenho saber que não haverá...

- Mantenha a segurança apertada e os controlos invioláveis. Do resto tratamos nós – o Presidente dera a volta à secretária, dirigia-se à porta. – Fazemos assim: vou dar uma palavrinha ao General Saraiva para que a contacte. Informalmente.

- Fico muito agradecida, senhor Presidente.

- Ouça, doutora Sandra – parou com a mão sobre a maçaneta da porta, e adoptou um tom de voz mais amável, fitando-a nos olhos. – Quero que saiba que estou muito satisfeito com o seu trabalho. Apenas ouço falar bem de si. Tem mantido as operações discretas e sem sobressaltos no orçamento. Tem sido incansável na resolução dos problemas. Quero que saiba que não se encontra sozinha. Quero que sinta que tem o apoio deste Executivo.

Sandra sorriu, involuntariamente.

- Senhor Presidente, agradeço imenso, não precisa de...

- Não, quero mesmo que sinta o nosso apoio. A doutora merece, o projecto merece. Fazemos assim: agora que estamos na fase final, vou pedir a um colaborador meu de longa data, muito experiente na gestão de projectos complexos, para dar um saltinho a órbita e colocar-se à sua disposição. Use-o como bem entender. Sem custos adicionais para o projecto. Considere-o uma oferta minha. Adeus, doutora Sandra. Marcamos um nova reunião daqui a duas semanas? Veja a minha agenda com a senhora Clotilde.

E foi assim que no espaço de dois segundos o político profissional passava de carneiro a lobo, e Sandra se via a braços com o espiãozinho directo do Presidente a espreitar-lhe por cima do ombro.

Não pode evitar retesar-se como se uma corrente eléctrica fortíssima a tivesse percorrido. Não pode evitar a manifesta dureza das mãos que agarravam a mala, dos músculos do pescoço contraído, dos lábios amargamente fechados, do braço que teve de forçar a estender-se e cumprimentar aquele homem. Não pode evitar o brilho de desapontamento e humilhação nos olhos. Mas o que a atormentaria mais tarde, quando se deitou finalmente nessa noite, era o pensamento de que o beicinho lhe tremera, ligeira mas visivelmente, como uma criança assustada. Dando essa vitória a ele, cuja única resposta foi mostrar os dentes, e era como se no mundo dela não houvesse mais que aquele sorriso, aquela certeza de que seria devorada, mastigada e cuspida por uma vontade tão subtil e tão doce que não seria capaz de fugir-lhe.

[Link Permanente

15 Maio 2012

Uma Lembrança Vívida de Angela Carter esconde esta perspicaz observação:

Once she’d chosen to dispense with most of the apparatus of what she called «real novels» of the sort in which «people drink tea and commit adultery», narrative was what remained: the beating, often bloody heart of her argument. It was the simplest of strategies, a return to the storytelling of childhood and to oral traditions that began «before there was such a thing even as writing», but in the later 20th century it was also something of a high-wire act, risking bathos on the one side, forced extravaganza on the other.

Ou não afirmasse Carter que «our lives are all about our childhoods», algo que não precisa de explicação e nem de consentimento.

[Link Permanente

14 Maio 2012

Uma Sensação de Desalento Há Mais de 40 Anos, ou, Então, Como Agora:

Infelizmente, o acanhado meio editorial do nosso país não permite grandes esperanças de profissionalização e os escritores, ou nascem em berço de ouro e podem dedicar-se inteiramente à sua vocação ou não têm essa sorte e são obrigados a um labor quotidiano após o qual, ou não têm tempo ou qualquer vontade, qualquer réstea de inspiração, se perdeu nessas horas de trabalho-sobrevivência. Daí, resulta necessariamente uma produção incerta - em qualidade,  não em quantidade, entenda-se.

Da introdução do organizador Lima Rodrigues ao conto «Destruição» de Hélia (Maria Helena Sotto Baptista Brito de Sousa), na antologia Terrestres e Estranhos (1968).

Contra-argumento apenas neste ponto: a incerteza da produção implica a inexistência de prazos, e logo de público, e por conseguinte de uma vivência diária, obcecada, com o discurso literário. É tão difícil, nestas circunstâncias, atingir a qualidade como a quantidade. Mas eis um debate interessante para futuras ocasiões.

(PS - o editor termina a referida introdução com o seguinte apontamento, o qual não deixa de ser desconfortável no contexto em que se insere: «É de suspense e terror o conto "Destruição" que dela apresentamos; e curto, como Hélia gosta. Não é de modo algum o seu melhor, mas raramente um coordenador de trabalhos deste género consegue o melhor de cada autor e nós não somos, infelizmente, excepção.»)

ACTUALIZAÇÃO 16-05-2012: O referido conto pode ser encontrado aqui.

[Link Permanente

12 Maio 2012

Já Se Encontra Disponível para leitura o número 12 da revista Bang!, que contém o meu texto sobre os livros de todas as vidas, «Rosebud», que é o engano de si mesmo. Destaque para os textos de Macedo, Soares e Seixas. Destaque também para o conto de Peter Watts, que seria um trabalho de excelência literária se tivesse usado o conto de Campbell como referência ao invés do filme de Carpenter.

Deixo uma errata: as legendas das capas dos livros na página 71 deveriam ser, para os Sonhos de Einstein: «Não passamos de um sonho do Tempo», para o Blade Runner: «Vi raios-c a brilhar no escuro junto ao portão de Tanhauser». E já agora, uma subtil revisão no verso de Cummings (p. 70): «(pois deus ama raparigas e o amanhã e a terra)».

[Link Permanente

17 Abril 2012

Revista Internacional procura artigos sobre cinema e FC no mundo. Transcrevo o pedido tal qual recebido, sem tradução, uma vez que os artigos deverão seguir em inglês.

Science Fiction Film and Television is seeking articles for a special issue in on world sf cinema and television.

Although excluding the US from discussions of world cinema and television creates a problematic opposition(ality), we are seeking critical work on sf from other national/transnational, and especially non-Anglophone, contexts, both historical and contemporary.

We are particularly, but not exclusively, interested in work which introduces and/or offers fresh insights into specific national cinemas/televisions, or which reconceptualises sf by relativising US/First Cinema variants as culturally-specific approaches rather than generic norms, or which addresses the following:

  • globalisation
  • transnationalism
  • imperialism, neo-imperialism, post-imperialism
  • colonialism, decolonisation, neo-colonialism, post-colonialism
  • sf from the Third World/Developing World/Global South
  • indigenous, Fourth World and Fourth Cinema sf
  • the subaltern
  • nationhood, national identity, regional identity
  • race, ethnicity, gender, sexuality
  • global networks, informational black holes
  • borders, borderlands
  • homelands, migrations, diasporas
  • national, international or transnational contexts of production, distribution or consumption
  • specific production cycles

Submissions should be made via our website at http://mc.manuscriptcentral.com/lup-sfftv.

Any queries should be directed to the editors, Mark Bould (mark.bould AT gmail.com) and Sherryl Vint (sherryl.vint AT gmail.com).

The deadline for submission to this special issue is September 1 2013.

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto