Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


03 Fevereiro 2008

PERSONALIDADE DO MUNDO VIRTUAL VÍTIMA DE ATENTADO. Em comunicado oficial da empresa gestora do empreendimento simulado A Verdadeira Vida, foi encontrado assassinado na sua mansão no universo de Chagal o famoso milionário virtual Rasputin Corleone. O comunicado foi efectuado em conferência de imprensa expressamente convocada para o efeito, na qual foram também apresentadas as medidas de segurança pública estabelecidas para a prevenção dos efeitos secundários e detecção dos responsáveis. Esteve presente o director nacional da GNR para universos virtuais, o comandante Josué Simões, que em breves palavras delineou as linhas de acção actualmente em curso pela equipa de emergência constituída para este fim. Segundo o vinculado, o feito decorreu durante a celebração da época de Carnaval no Verdadeira Vida, caracterizada por um habitual incremento de imersão do número de utilizadores do universo virtual, a maioria dos quais o fazem pela primeira vez e que constitui um dos principais modos de angariação de clientes e crescimento da empresa. A solicitação é de tal ordem que, para dar resposta à exigência de novos avatares temporários, universos bizarros de duração limitada, e um ambiente genérico de anarquia conceptual no que é um dos mais conservadores e confiáveis simulacros da vida real, e de acordo com as palavras do porta-voz da empresa, o parque informático chega a estar dedicado a 90% ao evento. Como resultado inevitável, os restantes universos virtuais acabam por sofrer uma perda significativa do nível de desempenho, incluindo a capacidade de monitorização global. O crime ocorreu durante uma das ocasiões de maior acesso de utilizadores, pelo que Chagal – universo proprietário da entidade assassinada – se encontrava com o nível de supervisão mínima e logo não restou um registo definitivo e concreto de como o feito teve lugar. O porta-voz da Verdadeira Vida fez notar que actos de violência extrema contra personalidades do meio virtual são extremamente raros, e que o caso de Rasputin Corleone em particular, enquanto entidade multi-utilizador detentora de imensa riqueza e notoriedade, se tratou da primeira ocorrência registada. Este avatar, que começou como uma brincadeira de dois irmãos de Arruda dos Vinhos e em poucos anos se tornou numa das personalidades mais influentes do empreendimento simulado, detentora de centenas de negócios virtuais, duas dezenas de universos com uma afluência global de duzentos mil utilizadores diários e um património líquido de 50 mil milhões de v-euros (cerca de 3 milhões de euros ao câmbio de hoje), era controlado por cerca de trinta utilizadores-mor em regime de partilha consensual, na sua grande maioria empresários ou multinacionais de elevada importância no mundo real. Entre os negócios conduzidos nos universos virtuais da Verdadeira Vida, contam-se os simulacros de grandes empreitadas de construção para infrastruturas do mundo real (cidades, auto-estradas, aeroportos) que resultaram no ganho de concursos públicos e contratos efectivos, imensamente lucrativos, para os utilizadores em questão. O comandante da GNR indicou que a principal razão deve estar relacionada com um ajuste de contas do mundo real, e que se encontram a investigar sindicatos virtuais e lobbies políticos de extrema-direita. Seja qual for o resultado, o porta-voz da Verdadeira Vida comunicou que, apesar das intensas pressões sentidas em contrário, a empresa não prevê a reactivação da personalidade conhecida como Rasputin Corleone: não só isso iria contra as regras subjacentes à existência do universo, com o risco de subsequente alienação da base de utilizadores, como receavam que aligeirasse o impacto decorrente de um acto criminoso. Segundo o porta-voz, a empresa considerava que o acto era tão danoso como se perpretado no mundo real contra uma vida concreta, e que devia ser investigado pela polícia e julgado com igual seriedade. O desaparecimento de Rasputin Corleone deixou centenas de negócios órfãos de dono, cujos direitos de transmissão, na ausência de legislação apropriada e de um testamento efectivo, irão consumir os recursos legais da Verdadeira Vida durante os próximos meses. [Agência Nacional de Notícias, 03.02.2028]

[Link Permanente

02 Fevereiro 2008

A ARGONAUTA ACABOU DE VEZ, de acordo com um comunicado do Nuno Fonseca (recém nomeado co-editor da revista Nova) que só hoje li: «Num passeio pelas livrarias do CCColombo, andava eu à procura por alguns dos últimos números da Argonauta, específicamente por livros de Isidore Haiblum, quando nada encontrando dei em perguntar no balcão da Bertrand por eles, e informaram-me cândidamente que a Livros do Brasil mandara uma circular há dois ou três meses informando que não efectuariam mais a distribuição da Colecção Argonauta. Parece que é desta que a mais antiga colecção de FC do país deu o berro.» Cinquenta anos de história da FC (o primeiro número saiu em meados dos anos 1950) que assim deram o berro, suavemente, sem notícias. As colecções, aparentemente, também morrem no esquecimento, como certas pessoas. Tarde de mais escreveremos a história. Se alguma vez o fizermos... Encontrei-a pela primeira vez nos escaparates de uma mísera loja de praia, aos 12 (?) anos, chamando-me a atenção (imagine-se) o Heinlein («O Número do Monstro», 3 volumes). Grandes momentos passados com Pern e seus dragões, tardes sentadas sob o sol, acreditando intensamente naqueles mundos imaginados com uma entrega sem reservas que não sou mais capaz de recuperar. Aos 15 anos uma queda abrupta de qualidade na tradução e revisão. A separação alguns anos depois, quando o mundo da escrita em inglês invadia e dominava a minha atenção até à quase exclusividade. E depois um lento definhar (idiota, a meu ver) até a colecção morrer de um derradeiro suspiro não anunciado oficialmente. E em todos estes anos (conforme é minha «tese» da introdução à Por Universos Nunca Dantes Imaginados), também uma colecção de exclusão e rejeição da FC portuguesa, por nunca admitir um autor nacional na sua lista de 600 e tal títulos, e só recentemente Márcia Guimarães, uma brasileira, ter conseguido romper o crivo editorial, com infelizmente, uma obra que deixa muito a desejar. Em 50 anos, aquele que poderia ter sido um veículo-mor de incentivo do fantástico nacional excusou-se a esse dever, e tivemos nós de aguardar até ao século XXI para finalmente termos uma horde de autores regulares e mercado em crescimento.

[Link Permanente

31 Janeiro 2008

«FREE THE INTERNET» TEVE HOJE INÍCIO, Desde a primeira hora do dia que «Free the Internet» invadiu o espaço virtual e se encontra a ser difundido por todo o mundo, na internet e inclusive em centenas de canais televisivos e radiofónicos tradicionais. Considerado como o evento mediático internacional de maior audiência de sempre, esta maratona de quarenta e oito horas ininterruptas reúne as capacidades criativas de milhares de bandas musicais, realizadores, escritores, desenhadores, actores, duplos, cronistas, bloguistas, observadores informados, fotógrafos, pintores e artistas plásticos de todo o mundo, que partilham a característica comum de serem criadores individuais em início de carreira ou pouco conhecidos. Manifestam-se contra a tendência política para controlo do acesso e publicação de conteúdos na internet, surgida em consequência do ataque nuclear terrorista na Califórnia e que já teve como efeito a aprovação de leis estritas na América do Norte e na China, e a respectiva discussão nos parlamentos da União Europeia e da Orla do Pacífico. Segundo os criadores envolvidos na manifestação, a restrição à liberdade de expressão no mundo virtual apenas resultará na criação de elites culturais e na censura activa de opiniões divergentes da oficial, à semelhança do que acontecia na era dominada pela televisão. Não foram assim convidadas nenhuma das celebridades actuais, embora muitas tenham apresentado publicamente o seu apoio. Os manifestantes propõem-se assim a criar uma obra de arte global, durante estes dois dias, disponibilizando a totalidade da sua produção artística já existente para consulta e apropriação livre e gratuita por parte do público, e criando ao vivo novas obras no decurso do fim de semana. Não se limitando ao espaço virtual, colectivos de artistas sairam à rua para se exprimirem, pintando murais, declamando textos, organizando concertos, performances transmitidas em directo pela internet. E de acordo com o hábito associado a eventos assumidamente mundiais, teve início ao soar da meia noite no meio do Pacífico e terminará amanhã no extremo oriental do Alasca, no último minuto do domingo. Por isso, se tinha planos para este fim de semana, sugerimos que reconsidere e sintonize o seu computador. [Agência Nacional de Notícias, 31.01.2015]

[Link Permanente

26 Janeiro 2008

DA VASTIDÃO DESTE OCEANO VIRTUAL um conjunto de memes para vossa consideração: Paolo Bacigalupi é entrevistado pela Wired sobre os motivos que o levaram a escrever FC - destaque para um telefonema bastante bizarro de um autor que não o é menos, e uma das melhores respostas à tentativa de apreciação crítica do entrevistador («Did you travel throughout Southeast Asia?», «Yeah.», «It was one of my questions on my list because I noticed that your stories happen all over the world. I was noticing that you had a real sense of...», «I faked it, right?»). Paolo recentemente explicou de forma detalhada o processo pelo qual um conto seu foi concebido. Compare-se este com o resumo das lições aprendidas por Jeff VanderMeer no decurso da produção de uma longa novela passada no universo dos Predadores, e ficarão com um brevíssimo how-to para se iniciarem nas lides literárias (e face às recentes movimentações do nosso mercado, e às que estão para vir, a posição de autor parece ser mais vantajosa no futuro do que a de pequeno editor...). Quem não gosta de pagar por cultura, já pode ficar com mais uns euros para desperdiçar numa discoteca, uma vez que Jeffrey Thomas disponibilizou uma versão gratuita do romance Deadstock, que decorre em Punktown, um vilarejo americano onde cai a escumalha do universo. Também gratuita, a leitura que Ursula Le Guin iniciou no seu site de algumas das suas peças - poemas, excertos de romances; para quem, como eu, já a tinha ouvido ler anteriormente com imenso prazer, esta experiência tem-se revelado uma inesperada desilusão. E Alastair Reynolds, que recentemente critiquei de forma menos positiva, promove a sua noveleta recentemente nomeada para o Prémio Britânico de FC, The Sledge Maker's Daughter. Terminamos esta incursão com um longo documentário sobre a vida e obra de Philip K. Dick:

[Link Permanente

25 Janeiro 2008

DA PERENIDADE DAS COISAS TÉCNICAS. Nem bem o João agraciava a iniciativa que desde o início do ano vinha a desenvolver neste blogue (e que, como é costume na nossa blogosfera do género português, àparte esta honrosa excepção, tinha sido recebida com a inevitável indiferença ou incompreensão, e quase certamente continuará a sê-lo...), quando um problema de ordem técnica (modem) me impossibilitou o acesso à internet durante alguns dias. Um manancial de informação residente por esse mundo fora, e continuamos a precisar de linhas telefónicas para comunicação e de um descodificador de emissão e leitura de bits... Não estamos muito longe, afinal, do ZX Spectrum e das sinfonias pós-modernistas de cinco minutos das suas cassettes. É da natureza dos mecanismos falharem. Por quebra, desgaste, acumulação de erros, a acção do tempo. Não poderia haver melhor indício de que a nossa tecnologia ainda se encontra na fase de infância do que o precisar de uma vigilância contínua, do olhar avaliador e das mãos hábeis dos engenheiros, arquitectos e outros técnicos, como pais de um recém-nascido. Profissionais que investem a sua vida - e por conseguinte, são um investimento da sociedade - no conhecimento pormenorizado das engrenagens e ligações electrónicas que fazem andar as máquinas que sustentam o actual contrato social. Eles sabem que não se trata de mágica, mas que tudo se encontra colado de forma muito frágil e perene. Que um abanão violento fará soçobrar grande parte do edifício - ruínas na bolsa, transacções financeiras impedidas ou enganosas, desvio fatal de transportes aéreos, sobreprodução de materiais supérfluos... as decisões nas quais baseamos importantes actos da nossa vida dependem do correcto funcionamento destes mecanismos e na eficiente transmissão de informação. E cada vez mais assim é. E no entanto, se um carro se avaria, se um computador começa a soltar fumo, se uma televisão de repente passa a transmitir programas de qualidade e a legendar as comunicações políticas com disclaimers pertinentes, sabemos que algo correu mal. Na maior parte dos casos, necessitamos dos cuidados de um especialista. Na maior parte dos casos, a máquina não se sabe reparar a si mesma, não tem mecanismos de auto-avaliação e substituição. Ao contrário dos nossos corpos, que são máquinas de precisão extremamente complexas, conjugando sistemas díspares e que no entanto conseguem trabalhar em conjunto para a sustentabilidade de um organismo superior (inclusive aquele tipo que passa os fins de semana de cuecas a coçar o baixo-ventre, a beber cerveja e a arrotar, enquanto resultado de milhões de anos de evolução e de uma crescente complexidade, é digno de admiração...), a qual requer a existência de sistemas defensivos e auto-reparadores (caso contrário, em breve cairiamos vítimas de todas as doenças e maleitas que nos afectam, e as mais pequenas quedas, cortes e acidentes deixariam marcas que nunca iriam sarar). Enquanto as nossas máquinas não tiverem a principal característica de autonomia - auto-reparação, procura de fontes energéticas para funcionamento -, enquanto estiverem dependentes de nós, nunca constituirão uma tecnologia madura, eficiente e com real capacidade de sustentação da humanidade. A Ficção Científica na maior parte ignora isto. É muito rara a história que compreenda a natureza falível dos mecanismos. Mesmo os pós-ciberpunkicos do mundo virtual, Doctorrow e Stross entre eles, pressupõe um nirvana de contínuo uptime, no qual os sistemas estão continuamente ligados entre si e não padecem de problemas de largura de banda, necessidade de chaves de descodificação e autorização, e tudo é livre e democrático. Na Galactica, no meio do espaço, no vazio absoluto do universo, em que a tecnologia é absolutamente essencial para a existência de um ambiente propício à vida, continuamos a encontrar engenheiros a reparar fisicamente uma nave sem fábricas de peças de substituição, numa atitude própria do paradigma tecnológico do século XX (lá nos atiram com a desculpa de desmontar navetas e passar as peças de umas para as outras, como se nunca existissem problemas de compatibilidade nem houvesse a possibilidade de uma falha sistémica de um componente-chave comum ao modelo em questão). A máquina doente não sara. Não se reconhece como doente. Não percebe que o espirro é um sintoma. Não distingue entre vida e eutanásia. A Ficção Científica devia ter isto em consideração (e agora, com internet recuperada, o projecto Anteficções - Histórias de um Porvir Lusitano continuará de boa saúde, obrigado).

[Link Permanente

17 Janeiro 2008

PORTUGUÊS CONQUISTA MEDALHA DE OURO INCREMENTADA. António Soto conquistou ontem o lugar cimeiro do pódio nos Jogos Olímpicos Incrementados a decorrer em Santiago do Chile na modalidade de maratona-extensa. Percorrendo os setenta quilómetros regulamentares em pouco menos de cinco horas, António chegou à meta adiante dos colegas do Bostswanna (Emidh Zareg) e do México (Luíz Alvares), segundo e terceiro lugares respectivo. Esta é a primeira vitória internacional para o jovem atleta português, que já se sagrara campeão nas maratonas incrementadas de Vila do Conde em 2015 e da Bacia do Tejo em 2016. Embora não tendo conseguido quebrar o recorde mundial que o americano Joshua Mirales estabeleceu na edição anterior dos Jogos Olímpicos Incrementados, António mostrou-se no entanto muito contente com a vitória e com o seu próprio desempenho, comunicando à imprensa que tinha sido fundamental o programa inovador de incrementos a que havia sido sujeito. Destes, destacou em particular a combinação cuidadosamente estudada de intensificadores de reparação de microdanos musculares, oxificadores de gordura e reconversores de glicose da farmacêutica NovAtleta, e dos novos gels energéticos de consumo duradouro da empresa alimentícia Estroia, vocacionados para os profissionais da competição desportiva. O progresso de Soto foi também monitorizado por sensores corporais da 1Body1Soul, um novo sistema de acompanhamento biométrico remoto com a possibilidade de informar a evolução de uma centena de indicadores de desempenho motor, quase o dobro dos sistemas vigentes, com uma taxa de actualização e resposta na ordem dos cinco segundos. Esta combinação vencedora permitiu, não só ao atleta manter o ritmo por períodos mais longos com um consumo de glicose constante, como possibilitou aos treinadores dosearem com maior precisão a libertação de estimulantes, sais e outros elementos na corrente sanguínea do atleta no decurso da prova, à medida que seriam necessárias. Com esta vitória internacional, Soto irá decerto tornar-se no novo rosto publicitário das empresas de vida incrementada. [Agência Nacional de Notícias, 17.01.2018]

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto