Exposição Prolongada à Ficção Científica  

   um blog de Luís Filipe Silva


22 Dezembro 2009

A Vantagem Do Descanso. Não digam a um português que um bom descanso resulta num melhor trabalho, senão ainda avariam o pobre coitado pelo conflito dialético. Fica no entanto um conselho bastante útil para o mundo empresarial - um ano sabático resulta num maior empenho à carreira.

(E antes que pensem que este blogue se rendeu ao poder da imagem - os últimos posts são referências a vídeos - está prometido um regresso em grande, ou mesmo em pequeno, a comentários compostos apenas por esses aborrecidos e imóveis blocos gráficos)

[Link Permanente

19 Dezembro 2009

O Factor Humildade. Uma pequena exibição representando o nosso real valor neste imenso universo. Considerem a luz das estrelas distantes, que atravessou dezenas, centenas, milhares de anos-luz para vir morrer de encontro à vossa retina: destino cruel?

[Link Permanente

16 Dezembro 2009

Vozes Do Passado. É sempre agradável conhecer os autores das histórias que nos acompanham desde o início dos tempos, dar-lhes voz e animação, ainda que tenhamos uma ideia clara do que irão afirmar quando se lhes pergunta se a FC é importante. A era Campbell e as eras Gold e Pohl que a seguiram não só produziram a ficção que hoje constitui ainda o pilar de referência do género como foram felizes em ficcionar-se a si mesmas - em grande medida graças às auto-biografias de Asimov e Pohl. Histórias de reuniões, projectos, debates sobre o futuro, episódios divertidos ou embaraçosos, os pioneiros da FC souberam descrever-se enquanto personagens com igual maestria, embora maior saudosismo, no decurso das poucas décadas que antecederam a New Wave. Pergunto-me o que ficará do nosso modesto grupo de Futurianos, e quem escreverá as Histórias de nós?

[Link Permanente

11 Dezembro 2009

Ellison Como Saramago? Ou Saramago como Ellison. Não sei qual das propostas é a mais assustadora.

(O melhor é quando ele diz - ironicamente, claro - «I'm a mild person.)

[Link Permanente

28 Novembro 2009

No Final, restam as memórias e os momentos de encantamento. Nada mais nos dará a Ficção Científica: nem foguetes nem imortalidade nem colónias espaciais nem inteligências artificiais nem cidades automatizadas nem biodomos nem contactos imediatos nem viagens no tempo nem portais para outras dimensões. Tudo isto depende da realidade, cujo enredo independente não segue os padrões de nenhum género nem cumpre as expectativas dos leitores que aprisiona. Da Ficção Científica apenas retiraremos as pequenas incursões de cada descoberta ficcional e os sonhos que as imagens temáticas nos inspiram. Nesta missão humilde surge a revista como veículo, como cápsula de histórias - condensada, regular, laboratorial. A Ficção Científica desapareceu do quotidiano porque já não acreditamos nos heróis interestelares, porque os rapazes já não sonham em se tornarem nos astronautas do próximo século. O futuro não sobreviveu ao ano 2000 e agora existimos num posfácio - ou, melhor: no volume intermédio de uma trilogia, aquele pastelão de monotonia que serve apenas de ponte entre um início promissor e uma conclusão (esperemos) magnífica.

Eis uma destas viagens pessoais. A pergunta que gostaria de ver respondida é: ficarão estas saudades pelas capas da Panorama, da DH Ciência, da Livros de Bolso PEA, da Argonauta, da Caminho, da Bang!, Nova e Phantastes?

[Link Permanente

21 Novembro 2009

E Depois Das Enfadonhas notícias sobre contos e publicações minhas, eis algo verdadeiramente notório: uma simulação animada sobre a possibilidade de a Terra ter anéis orbitais parecidos aos de Saturno.

Como poderão observar, são imagens belas e poéticas. A filosofia, a religião e possivelmente a nossa forma de encarar o planeta teria sido diferente. Decerto que os anéis, vistos da superfície terrestre, não seriam tão uniformes como a simulação, apresentariam desigualdades ou imperfeições na superfície - imperfeições que rodariam em torno do planeta em órbitas mais céleres que a da Lua, que seriam estudadas na antiguidade e que, talvez, conduzissem os antigos gregos às leis da mecânica celeste que só milénios mais tarde Newton sintetizaria matematicamente. Imperfeições que ajudariam os navegadores oceânicos do passado a ultrapassar o problema de determinar correctamente a longitude e assim facilitiariam as expedições aquáticas a grande distância, contribuindo para uma conquista mais rápida da globalização. Talvez o heliocentrismo nunca tivesse sido popularizado - embora desconfie que, existindo nós no interior de tais anéis, certos temas religiosos, como o Paraíso e a ascensão a planos superiores, se tornassem mais intensos. Os homens adaptariam as palavras dos textos religiosos para acomodar o fenómeno das alturas. Imaginariam seres a habitar os anéis, anjos ou demónios ou simplesmente observadores que criticariam o comportamento humano. E os signos não precisariam de encontrar padrões nos céus estrelados e ligariam o destino das gentes e das nações à conjunção particular de cada traço, cada círculo do anel. Sem esquecer, obviamente, que estes seriam designados à exaustão - uma palavra para os anéis iluminados, uma para os anéis na sombra da Terra, uma para os anéis na transição entre sombra e dia, uma para cada cor e tom e forma...

Não foi contemplada na simulação mas imaginem os anéis a tombarem sobre o nosso horizonte atlântico, e como teria sido uma imagem mais evocadora que os espaços urbanos de Paris e Nova Iorque e Madrid...

Nem tudo seriam rosas, obviamente. A luminosidade dos anéis dificultaria o estudo das constalações e dos planetas (pelo menos em algumas latitudes) e a radiação reflectida talvez aquecesse o planeta a ponto de atrasar o surgimento da vida. Sem dúvida que a nossa História teria sido diferente.

Fica no entanto a confirmação que se pode ter uma ideia própria da Fantasia, especular sobre a sua possibilidade a nível da Ficção Científica e daqui tecer Literatura. Sinceramente, não entendo, por vezes, a necessidade dos confrontos entre os géneros.

[Link Permanente

Site integrante do
Ficção Científica e Fantasia em Português
Texto
Diminuir Tamanho
Aumentar Tamanho

Folhear
Página Inicial

Arquivo

Subscrever
Leitor universal

Adicionar ao Google Reader ou Homepage
Subscrever na Bloglines

Contacto